Livro inacabado de José Saramago será publicado em 2012

"Alabardas, alabardas! Espingardas, espingardas!" aborda indústria armamentista; morte do escritor completa um ano no sábado

EFE |

Getty Images
José Saramago na Cidade do México, em 2001
No dia 18 de junho a morte de José Saramago, vencedor do Nobel de Literatura, completa um ano e, ao longo dos últimos meses, sua viúva, a jornalista Pilar del Río, "cúmplice" do grande escritor, não deixou de trabalhar pelo "compromisso cívico" que ambos compartilhavam.

Em sua casa em Madri, Pilar del Río anunciou nesta terça-feira em entrevista à Agência Efe que em 2012 será publicado o romance que Saramago deixou inacabado e no qual trabalhava quando morreu. De acordo com a jornalista, os editores do escritor que decidirão os detalhes da publicação do livro, que terá lançamento mundial.

Após publicar "Caim", Saramago começou uma nova obra sobre a indústria armamentista e o tráfico de armas, que havia intitulado "Alabardas, alabardas! Espingardas, espingardas!", um verso do poeta e dramaturgo português Gil Vicente.

Nesta semana, Pilar, que exatamente nesta terça-feira comemoraria 25 anos de relacionamento com Saramago, participará de vários atos para lembrar a figura do escritor no primeiro aniversário de sua morte. O principal deles acontecerá no sábado, 18 de junho, em Lisboa, quando suas cinzas serão depositadas em frente ao rio Tejo e diante da sede da Fundação José Saramago, presidida por Pilar.

Segundo ela, as cinzas serão enterradas "sob as raízes de uma oliveira trazida de Azinhaga", a aldeia natal do autor. Haverá também uma lápide com a inscrição "Mas não subiu para as estrelas, se à terra pertencia", uma frase do livro "Memorial do Convento".

Na noite desta terça-feira, a Casa da América de Madri será cenário da leitura dramática "Vozes de mulher na obra de Saramago", que contará com a participarão da própria Pilar e das atrizes espanholas Aitana Sánchez Gijón, Pilar Bardem e Pastora Vega, além da dançarina de flamenco María Pagés.

EFE
Pilar del Río, viúva de Saramago
Como presidente da fundação e, sobretudo, "cúmplice de Saramago e militante do mesmo corpo de ideias", Pilar procurou "manter e respeitar" a posição que ele defendia como cidadão e como intelectual.

"Não podemos passar a responsabilidade a outras pessoas. Não vão ser as cúpulas de poderosos que vão solucionar nossa vida e resolver nossos problemas", afirmou a viúva de Saramago, que teve que conter a emoção em vários momentos da entrevista.

"Somos nós cidadãos que devemos ter coragem, ir para a rua, gritar, desmantelar, construir. Esse era o projeto de Saramago, mas também é o meu", afirmou.

Nesta terça-feira, Pilar reúne-se com representantes do Movimento 15-M para "mostrar-lhes o incentivo" que podem encontrar nos livros de Saramago, que também são "uma forma de estar na vida".

A voz de Saramago parece ser escutada na casa que o escritor e sua mulher tinham em Lanzarote, aberta ao público há três meses e que com o tempo se transformará "em uma visita obrigatória para os leitores de todo o mundo", destaca a jornalista.

Entre suas paredes "se percebe a vida de Saramago, se veem seus livros e onde escreveu os últimos romances. As pessoas saem chorando de emoção", relatou.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG