Livro de Che Guevara é lançado em aniversário de guerrilheiro

"Diário de um Combatente" abrange período de dezembro de 1956 até janeiro de 1959 na vida de Che

AFP |

AFP
Che Guevara (de chapéu) com Fidel Castro
Cuba prestou homenagem ao mítico guerrilheiro argentino Ernesto Che Guevara no 83º aniversário de seu nascimento, com a publicação, nesta terça-feira (14), de um diário inédito que relata passagens de sua vida e da luta que levou ao poder Fidel Castro, em 1959.

"Diário de um Combatente", abrange os fatos desde a chegada do iate Granma, em 2 de dezembro de 1956, a Cuba até a vitória da revolução, em 1º de janeiro de 1959. O livro foi apresentado em ato do qual participaram a viúva do Che, Aleida March, e sua filha Aleida Guevara.

"O Che nos faz falta em Cuba, com sua capacidade de trabalho, de planejar, de convencer as pessoas. Lembramos que, em três anos, inaugurou mais de 30 fábricas e projetava outras 30", disse Oscar Fernández Mell, que o acompanhou como médico e guerrilheiro durante toda a campanha em Cuba e no Congo (1965).

Fernández Mell, de 80 anos, recordou que a época em que Che foi presidente do Banco Nacional - nos primeiros cinco anos da revolução - foi a "mais frutífera e gloriosa" da instituição. A pesquisadora María del Carmen Ariet explicou que Guevara foi um forte crítico dos países do bloco soviético, conforme refletido no livro "Apuntes Críticos a la economía política", publicado em 2006.

O presidente de Cuba, Raúl Castro, que substitui o irmão Fidel desde julho de 2006, impulsiona um programa de reformas para tornar eficiente o esgotado modelo econômico cubano, de inspiração soviética, tentando descentralizá-lo e terminar com o paternalismo estatal.

Fernández Mell aproveitou a oportunidade para refutar o que chamou de "desvio" histórico, que atribui a Guevara "centenas" de fuzilamentos de militares e policiais da ditadura de Fulgencio Batista (1952-58) na fortaleza de Cabaña, em 1959, depois do triunfo da revolução.

O diário, publicado pela editora australiana Ocean Press/Ocean Sur, é encerrado com a batalha de Santa Clara (280 km a leste de Havana) no final de dezembro de 1958. O livro foi preparado pelo Centro de Estudos Che Guevara.Em dezembro, o Centro publicará "El Pensamiento Filosófico", notas trabalhadas por Che durante 17 anos para a composição de um dicionário filosófico.

    Leia tudo sobre: che guevaracuba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG