Justiça chilena aceita investigar morte de Pablo Neruda

Ganhador do Nobel de Literatura morreu 12 dias depois do golpe de Estado de Augusto Pinochet

AFP |

AE
Pablo Neruda, durante entrevista em São Paulo em 1968
A Justiça chilena aceitou investigar a morte do ganhador do Prêmio Nobel Pablo Neruda (1904-1973). O poeta morreu em decorrência de câncer 12 dias depois do golpe de Estado de Augusto Pinochet - mas segundo denúncia apresentada pelo Partido Comunista, ele pode ter sido assassinado.

O juiz Mario Carroza acolheu a acusação feita nesta terça-feira (2 de junho) pelo PC chileno, partido no qual o poeta militava, após a denúncia apresentada pelo ex-motorista do escritor, Manuel Araya, para quem Neruda foi assassinado.

Araya, hoje com 65 anos, garante ter estado com Neruda até horas antes de sua morte, que atribui à aplicação, no estômago, de uma substância estranha que agravou de forma fulminante o câncer de próstata do qual sofria o poeta, ganhador do Nobel de Literatura em 1971.

O juiz Carroza já tinha ordenado interrogar Araya e apreender o atestado de óbito de Neruda, segundo informações da imprensa chilena. A versão de Araya foi refutada pela fundação que administra a obra do poeta, mas ganhou força depois das declarações do ex-embaixador do México no Chile, Gonzalo Martínez, que esteve com Neruda poucos dias antes de morrer, uma vez que geria seu asilo na capital mexicana.

"Não vi grande diferença nele entre os primeiros dias que o conheci e os últimos que o visitei no hospital. Eu já o conheci como um homem doente, mas não chegou a ficar pele e osso, nem catatônico", relatou Martínez.

O boletim médico sustenta que Neruda estava catatônico antes de morrer, segundo o advogado responsável pela acusação, Eduardo Contreras. O juiz Carroza investiga, ainda, se a morte do ex-presidente Salvador Allende - deposto por Pinochet - foi um suicídio, como sustenta a versão oficial, ou se tratou de um assassinato . O cadáver de Allende foi exumado em 23 de maio passado .

Vida e obra

Pablo Neruda deixou registrada em sua obra uma mensagem universal, que lhe valeu, em 1971, o Nobel de Literatura. Nascido Neftali Reyes Basualto, em Parral, no sul do Chile, em 12 de julho de 1904, adotou o nome artístico Pablo Neruda antes dos 15 anos, ao criar seus primeiros versos de uma aventura literária que o consagrou como um dos principais poetas de língua espanhola.

Autor de "Odas Elementales", "Estravagario" e "Confieso que he Vivido", seus versos inundaram múltiplas antologias e o levaram a conquistar o Nobel quando ocupava o cargo de embaixador do Chile na França.

Desde seus "20 Poemas de Amor" (1924) até a "Arte de Pajaros", a poesia de Neruda fala de temas eternos, como o cosmos, a água, o ar, as raízes históricas, os problemas sociais e os sonhos dos casais.

Casou-se com a holandesa Maria Antonieta Lagenaar, com quem teve sua única filha, Malva Marina, que morreu poucos anos depois .Após o fim do casamento, em 1935, Neruda conheceu em Madri a pintora argentina Delia del Carril, 20 anos mais velha do que ele. O casamento terminou em 1955 porque o poeta descobriu uma nova musa, a soprano chilena Matilde Urrutia. Com ela, iniciou um romance tão clandestino quanto sua clandestinidade política na época, pois seu Partido Comunista havia sido proscrito no Chile e Neruda foi destituído do cargo de senador em 1948.

Neruda morreu em 23 de setembro de 1973, aos 69 anos, 12 dias depois do suicídio do presidente Allende, durante o sangrento golpe do general Augusto Pinochet, que se instalou no poder até 1990.

    Leia tudo sobre: PinochetSalvador Allende

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG