Intelectuais criticam presença de Vargas Llosa em feira argentina

Escritor foi escolhido para inaugurar Feira Internacional do Livro de Buenos Aires, que acontece de 20 de abril a 9 de maio

AFP |

AP
O escritor Mario Vargas Llosa
Intelectuais ligados à presidente argentina, Cristina Kirchner, criticaram a escolha do peruano Mario Vargas Llosa, prêmio Nobel de Literatura em 2010, para inaugurar a Feira Internacional do Livro de Buenos Aires, que acontece entre 20 de abril e 9 de maio.

"Gostaria que ele não estivesse presente na abertura da Feira do Livro. Seu liberalismo é expressado de maneira taxativa e diria que, se me permite o paradoxo, autoritária também", disse o diretor da Biblioteca Nacional, Horacio González.

O secretário de Cultura, Jorge Coscia, disse que não concorda com a tentativa de proibição, mas criticou Vargas Llosa. Coscia chamou o peruano de "reacionário, inimigo das indústrias culturais e útil a um sistema de dependência cultural na América Latina".

"Parece-me válido que os intelectuais tomem partido. No que não estou de acordo é na proibição", declarou.Aurelio Narvaja, da editora Colihue, também pediu a retirada do convite a Vargas Llosa para a abertura da Feira em 20 de abril, apesar de considerar o peruano merecedor do Nobel.

"Cristina Fernández é um desastre total. A Argentina está conhecendo a pior forma de peronismo, populismo e anarquia. Temo que seja um país incurável", afirmou Vargas Llosa recentemente ao jornal italiano Corriere della Sera. Ao jornal espanhol El País, o autor de "Pantaleão e as Visitadoras" afirmou que Cristina Kirchner e o falecido marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, são "capitalistas exemplares que conseguiram multiplicar sete vezes seu capital".

    Leia tudo sobre: mario vargas llosafeira livroargentina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG