Conselheiro de corte belga diz que livro de Tintim não é racista

'As representações (do povo africano) por Hergé são um reflexo de seu tempo', afirma o parecer

Reuters |

Reprodução
Capa do livro "Tintim no Congo"
Um conselheiro judicial belga recomendou os tribunais do país a rejeitarem uma ação legal que tenta banir o livro do jovem herói da ficção "Tintim" por racismo, segundo documentos judiciais.

Valery de Theux de Meylandt, um "procureur du roi" belga cujo parecer é solicitado e, normalmente, seguido pelos tribunais do país, aconselhou os juízes em uma declaração por escrito a decidirem contra a ação impetrada pelo ativista Bienvenu Mbutu Mondondo tentando banir por racismo o livro "Tintim no Congo".

Siga o iG Cultura no Twitter

De Theux de Meylandt disse no documento datado de sexta-feira e obtido pela Reuters que o autor de Tintim, Georges Remi (mais conhecido como Hergé), não teve a intenção de incitar ao ódio racial quando descreveu o seu herói de desenho animado em uma aventura na ex-colônia belga em uma obra de 1931, que foi atualizada em 1946.

"As representações (do povo africano) por Hergé são um reflexo de seu tempo", escreveu De Theux de Meylandt.

Intenção é um critério-chave para fundamentar uma acusação de racismo. Um tribunal deverá proferir no início do próximo ano uma decisão de rejeitar ou aceitar o argumento de Mondondo de que a descrição dos africanos no livro é racista.

"Vemos em particular que 'Tintim no Congo' não coloca Tintim em uma situação onde não há competição ou confronto entre o jovem repórter e qualquer negro ou grupo de negros, mas põe Tintim contra um grupo de criminosos... que são brancos", acrescentou De Theux de Meylandt em sua recomendação.

"Tintim no Congo" é parte de um de uma série de histórias em quadrinhos sobre as aventuras de um jovem jornalista e seu cachorro Milu, que foram publicadas pela primeira vez em 1931. Mondondo acusa de racismo a versão moderna do livro, atualizada em 1946.

Leia também: Tribunal belga julgará suposto racismo em "Tintim"

O processo judicial vem num momento em que a popularidade de Tintim está em alta com a produção de um filme de Hollywood dirigido por Stephen Spielberg sobre o intrépido jornalista belga em uma aventura ao lado de Milu, o Capitão Haddock e o Inspetor Thompson.

    Leia tudo sobre: Tintimliteraturaquadrinhos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG