Bienal do Livro abre na sexta-feira 13 com Zé do Caixão

Inauguração da 21ª edição do evento conta com a presença do ator e debate sobre vampiros na literatura

AE |

selo

Divulgação
O personagem Zé do Caixão, interpretado por José Mojica Marins, dá início a 21ª Bienal do Livro de São Paulo
Que a data não seja um mau presságio. A 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo abrirá suas portas ao público em uma sexta-feira 13 (no dia 12, a visitação será exclusiva aos profissionais do mercado do livro). A coincidência não passou desapercebida pela organização, que programou, para esse mesmo dia, uma conversa com Zé do Caixão e um debate sobre o mito do vampiro na literatura.

Terrores à parte, a 21ª Bienal do Livro pretende recuperar a relevância do evento, que acontecerá no Pavilhão de Exposições do Anhembi até o dia 22 de agosto, das 10h às 22h. Estão programados 1.100 horas de evento - entre debates, palestras e outras atividades. Presenças importantes já foram confirmadas, como a da escritora iraniana Azar Nafisi (que promovia sessões de leitura do livro Lolita , em plena Teerã); Benjamim Moser (biografo de Clarice Lispector), Ariano Suassuna, Mia Couto e outros. A estimativa é de 700 mil visitantes. O total investido na Bienal foi de R$ 30 milhões.

As atividades culturais estarão divididas em quatro principais polos: Monteiro Lobato, Clarice Lispector, Lusofonia e o Livro Digital. Além dos debates, sobre os autores e temas acima. Vale destacar, também, o Espaço Digital Imprensa Oficial. Aqui, os visitantes irão manusear e experimentar equipamentos de leitura digital. No Palco literário, artistas e personalidades farão leituras de textos literários (escolhidos por eles mesmos). Entre os convidados estão nomes como Regina Duarte, Paulo Goulart e Zeca Camargo.

Para as crianças (mais de 200 mil estão sendo esperadas pela organização), existem espaços como Fábulas com a Turma da Mônica (dedicado ao universo das fábulas da literatura mundial); e a atração O Livro É uma Viagem - circuito de atividades que irão levar as crianças para dentro de um livro. Além disso, uma biblioteca para bebês exibirá livros e produtos voltados aos recém-nascidos. Outra proposta da organização é "bienalizar" São Paulo. Atividades serão realizadas fora do Anhembi, principalmente nas unidades do Sesc. Atividades de literatura e gastronomia também irão se espalhar por alguns restaurantes da cidade. Menus inspirados em livros e personagens serão oferecidos ao público no período da Bienal.

    Leia tudo sobre: Bienal do LivroZé do Caixão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG