Corpo de João Ubaldo Ribeiro é enterrado

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Cerimônia ocorreu no Rio; escritor de "Viva o Povo Brasileiro" morreu aos 73 anos vítima de uma embolia pulmonar

Futura Press
Enterro de João Ubaldo Ribeiro

O corpo do escritor João Ubaldo Ribeiro foi enterrado na manhã deste sábado (19) em mausoléu da Academia Brasileira de Letras (ABL) no cemitério São João Batista, em Botafogo, no Rio de Janeiro.

A cerimônia foi presenciada por familiares, como a viúva, Berenice, e os filhos Manuela, Bento, Emília e Francisca, além de amigos do escritor.

Saiba mais: Morre João Ubaldo Ribeiro, autor de "Viva o Povo Brasileiro"
Leia também: Veja frases marcantes do escritor João Ubaldo Ribeiro
Repercussão: Artistas e políticos lamentam morte do autor
Hermano Penna: "João Ubaldo pensou o Brasil como poucos"

O escritor brasileiro João Ubaldo Ribeiro durante a mesa . Foto: Beto LimaO escritor brasileiro João Ubaldo Ribeiro conversa com os jornalistas durante sua coletiva na Flip 2011. Foto: Beto LimaJoão Ubaldo Ribeiro, na Flip 2011. Foto: Beto LimaO escritor João Ubaldo Ribeiro. Foto: Biblioteca de São Paulo

O velório foi realizado na sede da ABL, no Rio. João Ubaldo ocupava a cadeira número 34 da instituição.

O autor de livros como "Viva o Povo Brasileiro" morreu durante a madrugada de sexta, aos 73 anos, vítima de embolia pulmonar.

Nascido João Ubaldo Osório Pimentel Ribeiro em Itaparica (BA), o escritor viveu com a família em Sergipe até os 11 anos. Passou também por Lisboa, Berlim e de novo Itaparica, até se ficar no Rio de Janeiro nos anos 1990.

Se formou em Direito pela Universidade Federal da Bahia, mas não chegou a exercer a profissão. Cursou também Administração Pública e Ciência Política, sendo professor da Escola de Administração e da Faculdade de Filosofia da Universidade Federal da Bahia e da Escola de Administração da Universidade Católica de Salvador.

Siga o iG Cultura no Twitter

Como jornalista, exerceu diferentes funções no "Jornal da Bahia" e na "Tribuna da Bahia", além de ter colaborado para publicações de todo o mundo.

Seus primeiros trabalhos literários foram publicados em coletâneas como "Reunião" e "Panorama do Conto Baiano". O primeiro livro, "Setembro Não Tem Sentido", foi lançado quando tinha 21 anos.

Em 1971 publicou o segundo livro, "Sargento Getúlio", que se tornaria um dos mais conhecidos e um marco do moderno romance brasileiro. O próprio Ubaldo Ribeiro fez a tradução da obra para o inglês, dada a dificuldade de adaptar regionalismos. Nos anos 1980, "Sargento Getúlio" foi adaptado para o cinema por Hermano Penna.

Outra obra importante é "Viva o Povo Brasileiro", de 1984, romance que mistura personagens fictícios a fatos da história do Brasil. Este livro, assim como "Sargento Getúlio", constaram em várias listas dos cem melhores romances brasileiros do século.

Outras obras importantes são "Vila Real", de 1979; "O Sorriso do Lagarto", de 1989; "O Feitiço da Ilha do Pavão", de 1997; "A Casa dos Budas Ditosos", de 1999; e "O Albatroz Azul", de 2009.

Pelo conjunto da obra, o autor recebeu, em 2008, o Prêmio Camões, o mais importante de literatura em língua portuguesa. Também ganhou dois Jabutis: o de melhor autor por "Sargento Getúlio", em 1972, e o de melhor romance por 'Viva o Povo Brasileiro", em 1984.

Ubaldo deixa a mulher, Berenice Ribeiro, e os filhos Bento, Francisca, Manuela e Emília, as duas últimas do primeiro casamento.


Leia tudo sobre: joão ubaldo ribeirolivrosliteratura

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas