Eclético, Flipoços 2014 tem palestras lotadas de Ferreira Gullar e Adélia Prado

Por Luísa Pécora , de Poços de Caldas |

compartilhe

Tamanho do texto

Escritores foram atrações mais concorridas do Festival Literário de Poços de Caldas, encerrado neste domingo (4)

Ferreira Gullar, Adélia Prado e Mario Sergio Cortella foram as atrações mais concorridas da nona edição do Festival Literário de Poços de Caldas, o Flipoços, que terminou neste domingo (4). O evento se manteve fiel ao ecletismo que costuma reger a programação, discutindo temas tão variados quanto literatura, jornalismo, espiritualidade, gastronomia, cultura popular e ditadura militar, entre outros.

De acordo com a organização, o Flipoços recebeu 35 mil visitantes até sexta-feira (2) e esperava-se que o número chegasse a 50 mil até o encerramento. Estudantes foram o principal público do evento, com grande número de visitas de escolas.

Ferreira Gullar foi o patrono do Flipoços 2014. Foto: DivulgaçãoAdélia Prado posa para foto no backstage do Flipoços 2014. Foto: Luísa Pécora/iGMario Sergio Cortella no Flipoços 2014. Foto: DivulgaçãoLivros à venda na Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas. Foto: Luísa Pécora/iGLivros à venda na Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas. Foto: Luísa Pécora/iGCrianças no espaço chamado de Flipocinhos. Foto: Luísa Pécora/iGPúblico lota teatro para ver Adélia Prado. Foto: Luísa Pécora/iG

Patrono desta edição, Gullar fez a abertura oficial do Flipoços na noite de 26 de abril e falou sobre os 50 anos do golpe de 1964, um dos temas do festival. No dia 2, a ditadura militar rendeu um bom debate entre o filho de Vladimir Herzog, Ivo, e os jornalistas Audálio Dantas e Alberto Villas.

Leia também: "A história do Brasil precisa ser contada", diz filho de Herzog
Mais: "O interessante da vida é a tarefa da vida", diz Adélia Prado

A discussão girou em torno, principalmente, nos resquícios da ditadura. "O que estamos falando aqui não é aula de história, é aula de presente. A maneira como tratamos isso lá trás explica o motivo de termos uma sociedade violenta e intolerante", disse Herzog. "A história do Brasl precisa ser contada. Ela nunca foi contada."

Luísa Pécora/iG
Livros vendidos a R$ 3 no Flipoços

Adélia Prado fez a "palestra master" do evento na noite do dia 3, sendo aplaudida de pé pelo teatro lotado.

Siga o iG Cultura no Twitter

Em tom bem-humorado e informal, a poeta falou sobre o afeto e mostrou que a aposentadoria não está em seus planos.

"Não tem um momento da vida em que você fala: 'Estou pronto'. O interessante da vida é a tarefa da vida. É muito excitante estar vivo."

Outras palestras concorridas foram a do filósofo Mario Sergio Cortella, que falou sobre ética, e a da psiquiatra Ana Beatriz Barbosa Silva, sobre saúde e comportamento.

Leia também: Com livros de pano, professoras ajudam mulheres a deixar o alcoolismo

A Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas, que acontece paralelamente e no mesmo espaço que o festival, também estava cheia. Mas o evento carece de uma curadoria mais cuidadosa: como há mais distribuidoras e livrarias do que editoras, os estandes têm muitos livros repetidos - quase sempre best sellers.

Sobretudo no caso da literatura infatil, boas obras têm dificuldade de competir com títulos fracos, que nem identificam autor e são vendidos por até R$ 1. 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas