De tanto beber, James Bond seria impotente, dizem médicos

Por BBC Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Pesquisadores analisaram hábitos de agente secreto em 14 de seus livros e constataram que ele consumia em média uma garrafa e meia de vinho por dia

BBC

"Vodca martini, batido, não mexido" é um dos bordões mais conhecidos do agente secreto James Bond, imortalizado no cinema por Sean Connery, Roger Moore, Daniel Craig e outros atores famosos.

Infográfico: Os 50 anos de James Bond

Mas médicos que analisaram o apreço por álcool do protagonista de vários livros do autor britânico Ian Fleming concluíram que, se fosse de carne e osso, James Bond provavelmente seria impotente e estaria à beira da morte.

Os especialistas leram os 14 romances de Bond em seu tempo livre, mapearam o seu consumo de bebidas alcoólicas e observaram que ele bebia o equivalente a uma garrafa e meia de vinho todos dias.

Sean Connery em '007 Contra o Satânico Dr. No'. Foto: DivulgaçãoSean Connery em 'O Satânico Dr. No'. Foto: DivulgaçãoRoger Moore e Richard Kiel em '007 - O Espião Que Me Amava'. Foto: DivulgaçãoDaniel Craig em '007 - Operação Skyfall'. Foto: DivulgaçãoRoger Moore em '007 Contra o Homem com a Pistola de Ouro'. Foto: DivulgaçãoCena de 'Quantum of Solace'. Foto: Divulgação

Nos 88 dias vividos nos 14 livros, excluindo aqueles em que Bond esteve na prisão, em um hospital ou em reabilitação, o espião entornou 1.150 unidades de álcool.

Isso equivale a 92 unidades por semana - cerca de cinco vodcas martinis por dia e quatro vezes a dose máxima recomendada para homens no Reino Unido.

O relatório dos médicos, publicado em uma edição comemorativa do British Medical Journal, concluiu: "Apesar de entendermos as pressões sociais para que se consuma álcool quando se lida com terroristas internacionais, aconselhamos que Bond faça uma reavaliação mais profunda de sua ingestão de álcool."

Infográfico: Os números de James Bond no cinema

Patrick Davies, consultor em terapia pediátrica intensiva nos Hospitais da Universidade de Nottingham, disse à BBC : "Você não gostaria que essa pessoa desarmasse uma bomba nuclear.

"Ele é uma pessoa muito glamourosa, sai com todas as garotas e isso é totalmente incompatível com o estilo de vida de um alcoólatra, o que ele é."

Davies afirma que Bond seria classificado como bebedor-problema e estaria sob alto risco de danos no fígado, morte precoce e impotência.

Da Rússia com vodca

Bond também tinha o hábito - altamente condenável - de beber e em seguida dirigir. No livro "Casino Royale", o agente parte para uma perseguição de carro em alta velocidade após consumir 39 unidades de álcool, bate e passa duas semanas em um hospital.

Em sua maior bebedeira, Bond tomou 50 unidades de álcool em um único dia, em Moscou contra 007. E o agente deixa de tomar umas e outras em apenas 13 dias em todos os livros.

Os hábitos de consumo de James Bond pioram com a idade. Ele começa a beber muito em "Casino Royale" (1953), embora aparentemente comece a colocar a vida em ordem em "Goldfinger" (1959).

Divulgação
Imagem do filme "007 – Operação Skyfall"

No entanto, seu consumo começa a subir novamente e chega ao pico de 132 unidades por semana em "A Morte no Japão" (1964, adaptado para o cinema sob o nome de "Com 007 Só Se Vive Duas Vezes").

Os pesquisadores afirmam que esse comportamento pode ser uma resposta à morte de sua esposa um ano antes, em "A Serviço Secreto de Sua Majestade".

Para os médicos, que deixaram claro que suas observações não vieram de um estudo científico mas apenas de anotações coletadas após leituras nas horas vagas, "as capacidades de Bond mostradas nos livros são inconsistentes com o funcionamento físico, mental e sexual esperado de alguém que bebe esta quantidade de álcool".

O consumo excessivo de álcool causa 2,5 milhões de mortes todos os anos no mundo.

Leia tudo sobre: james bond007ian fleming

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas