"'Guernica' é o despertar de um transe", diz o historiador T.J. Clark na Flip

Por iG São Paulo especial por Aline Viana | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

A partir de fotografias, britânico explica processo criativo do pintor espanhol Pablo Picasso

O crítico e historiador britânico T.J. Clark deu uma aula sobre o processo criativo do pintor espanhol Pablo Picasso nesta quinta-feira (4) na Festa Literária Internacional de Paraty (Flip).

Durante sua fala na mesa "Olhando de novo para 'Guernica', de Picasso", o historiador apoiou sua análise nas fotografias que a mulher do pintor, Dora Maar, tirou do quadro durante todas as fases de sua execução.

Saiba tudo sobre a Flip 2013

Aline Viana
T.J. Clark participa de mesa na Flip 2013


A obra, que tem dimensões de 7,82m x 3,50m e representa o bombardeio sofrido pela cidade espanhola de Guernica em abril de 1937, foi elaborada e concluída em pouco mais de um mês e se tornou uma das principais obras de arte do século 20.

“Os três anos que precederam ‘Guernica’ são complexos e difíceis para Picasso. Ele ficou meses sem pintar nada, fazendo gravuras, jogando todas as suas energias numa poesia esquisita e, ao meu ver, muito ruim. 'Guernica' é o despertar a esse transe”, revelou Clark.

Siga o iG Cultura no Twitter

AP
O quadro 'Guernica', de Pablo Picasso

Para Clark, Picasso impôs vários desafios a si mesmo durante a execução do quadro. “[A obra] teria que ser retratada isolando os indivíduos como o terror isola as pessoas, mas em num espaço comum. A privacidade havia sido dilacerada. A sala dava lugar à rua. As pessoas teriam que estar de fato caindo pelas janelas, gritando. Havia o imperativo de tornar a dor pública. Significa situar isto no mundo exterior, encarnar a dor, torná-la real, material. São imperativos (criativos) nobres e a necessidade eventual do quadro de responder a esses imperativos é o que lhe dá vida tão longa”, analisou o historiador.

Mais sobre a Flip:
Gilberto Gil fala sobre protestos: "É uma manifestação do cansaço"
-
 Paul Goldberger: "Niemeyer foi melhor e pior para arquitetura do Brasil"
Com palestra sobre Graciliano, Milton Hatoum abre a Flip

A opção por organizar a obra em um padrão hexagonal em um padrão de luz e sombras foi decidida no meio da produção. “Sempre houve críticos que detestaram a geometria de 'Guernica', que a consideravam acadêmica. Penso que Picasso queria produzir uma atividade tonal pesada, que contrabalançasse a luz e sombra. ‘Guernica’ sofre imensamente o preço da fama”, concluiu o historiador.

Clark fará uma segunda palestra na Flip no sábado (6), às 19h30, quando debaterá com o psicanalista Tales Ab’Saber e o filósofo Vladimir Safatle as recentes manifestações no País e se os conceitos tradicionais de esquerda dão conta de explicar os últimos acontecimentos.

Leia tudo sobre: flipflip 2013t.j. clarkpablo picassolivrosartes plásticas

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas