Flip começa nesta quarta com show de Gilberto Gil; iG seleciona os destaques

Por iG São Paulo especial por Aline Viana |

compartilhe

Tamanho do texto

Evento em Paraty segue até domingo com nomes como Maria Bethânia, Geoff Dyer, John Banville e T.J. Clark

Gilberto Gil, Maria Bethânia, John Banville, Geoff Dyer, T.J. Clark, amin Al-Bargouti, Lila Azam Zanganeh. Esses são alguns dos destaques da 11ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), que acontece entre esta quarta (dia 3) e domingo (7).

O homenageado deste ano é o romancista alagoano Graciliano Ramos (1892-1953), famoso por obras como "Vidas Secas" e "Memórias do Cárcere".

A cantora Maria Bethânia. Foto: DivulgaçãoO cantor e compositor Gilberto Gil. Foto: DivulgaçãoO escritor Geoff Dyer. Foto: DivulgaçãoO escritor T.J. Clark. Foto: DivulgaçãoO escritor Daniel Galera. Foto: DivulgaçãoO escritor egípcio Tamin Al-Bargouti. Foto: Divulgação

O show de abertura da Flip será de Gilberto Gil, às 21h30 desta quarta. Pouco antes, às 19h30, acontece a primeira mesa, em grande estilo: o escritor amazonense Milton Hatoum (autor de "Dois Irmãos" e "Cinzas do Norte") fará a palestra "Graciliano Ramos – aspereza do mundo, concisão da linguagem".

Hatoum vai falar sobre a "importância da obra de Graciliano Ramos não só na literatura, mas em toda a cultura, incluindo o cinema e a política", segundo os organizadores.

O iG selecionou as principais atrações do evento.

Quinta-feira (dia 4)

Paul Goldberger, professor da New School de Nova York e crítico de arquitetura da revista norte-americana "Vanity Fai"r, discute com o arquiteto português Eduardo Souto de Moura, ao meio-dia, a relação entre os espaços físicos em que vivemos e nossas experiências de tempo e memória.

Às 14h30, o cantor e ex-ministro da Cultura Gilberto Gil e a historiadora Maria de Mello e Souza participam da conferência "Cultura e locais globais", na qual discutirão como evitar que o turismo em cidades de vocação turística tenha efeitos predatórios.

O dia termina com uma palestra com o historiador e crítico de arte marxista britânico T.S. Clark, que fará uma análise sobre o clássico quadro "Guernica", de Pablo Picasso. O autor também participará de uma mesa no sábado, sobre as recentes manifestações populares no Brasil.

Divulgação
A escritora iraniana Lila Azam Zanganeh

Sexta-feira (dia 5)

A sexta-feira é o dia forte desta edição, com o maior número de mesas imperdíveis da Festa. Vale a pena acompanhar, às 10h, a mesa em que o debate tratará do papel da política na obra de Graciliano Ramos. Os palestrantes serão Randal Johnson, brasilianista e professor da Universidade da Califórnia; Dênis de Moraes, biógrafo de Graciliano Ramos; e Sergio Miceli, sociólogo autor de estudos sobre o campo cultural e o poder no Brasil.

A franco-iraniana Lila Azam Zanganeh e o ensaísta Francisco Bosco discutem "O prazer do texto", por meio da análise das obras do russo Vladmir Nobokov (de "Lolita") e do crítico francês Roland Barthes. Lila é autora do livro "O Encantador – Nabokov e a Felicidade", lançado pela editora Objetiva.

Às 15h, o ensaísta italiano Roberto Calasso e a pesquisadora e professora Jeanne-Marie Gagnebin abordam como o tcheco Franz Kafka e o francês Charles Baudelaire influenciaram nosso conceito de "modernidade".

O norte-americano Tobias Wolff e o mexicano Juan Pablo Villalobos falam, às 17h, sobre a relação entre experiência pessoal e criação literária. Wolff escreveu "O Despertar de um Homem", que foi adaptado para o cinema e contou com Leonardo Di Caprio e Robert De Niro no elenco.

Por fim, a cantora Maria Bethânia, que inclui a declamação de versos do português Fernando Pessoa em seus shows, e a especialista Cleonice Berardinelli se encontram às 19h30 para uma das mais concorridas mesas desta edição: a conferência "Lendo Pessoa à beira-mar".

Mario Miranda/Agência Foto
Eduardo Coutinho

Sábado (dia 6)

O documentarista Eduardo Coutinho, ao meio-dia, conta detalhes da sua trajetória e discute suas ideias sobre o gênero documentário com o crítico e diretor Eduardo Escorel. Vale destacar que Escorel foi o montador de um dos filmes mais importantes de Coutinho, "Cabra Marcado para Morrer".

O irlandês cotado ao Nobel John Banville e a contista americana Lydia Davis protagonizam uma das mesas mais aguardadas da festa, às 17h15. Em pauta, os limites da prosa: quais as possibilidades e o propósito da experimentação literária numa época em que todas as regras já foram transgredidas?

Às 19h30, T.J. Clark faz a segunda palestra na festa, onde abordará, com o psicanalista Tales Ab'Saber e o filósofo Vladimir Safatle, as recentes manifestações no País. 

Domingo (dia 7)

A programação de domingo, último dia da festa, abre com a conferência "Graciliano Ramos: política da escrita", com participação dos críticos Wander Melo Miranda, Lourival de Holanda e Erwin Torralbo. Além da questão temática, os três devem abordar os episódios e marcas de estilo de Graciliano.

O brasileiro Daniel Galera, autor de "Barba Ensopada de Sangue", e o francês Jerôme Ferrari, de "O Sermão sobre a Queda de Roma", conversam, às 13h, sobre temas ligados à tragédia clássica e que permeiam suas obras mais recentes.

A mesa seguinte, das 15h, traz o poeta e ativista político egípcio Tamim Al-Barghouti e o professor da USP e tradutor do "Livro das Mil e Uma Noites" Mamede Mustafa Jarouche. Eles discutem as relações entre arte e política no mundo árabe hoje.

Para fechar a festa e o domingo, haverá a mesa das 17h, onde o jornalista e escritor Geoff Dyer, autor de "Todo Aquele Jazz", e John Jeremiah Sullivan, de "Pulphead – O Outro Lado da América", abordam a arte do ensaio, estilo literário que combina a criação literária e a reflexão teórica.

Leia tudo sobre: fliplivrosliteratura

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas