Escritor Philip Roth anuncia o fim da sua carreira literária

"A ideia de tentar escrever de novo é impossível", disse o autor em entrevista

Reuters |

Reuters

AP
O escritor Philip Roth

O inspirador romancista norte-americano Philip Roth, um dos mais reverenciados autores mundiais, está se aposentando da carreira literária, disse sua editora, a Houghton Mifflin, nesta sexta (9).

Siga o iG Cultura no Twitter

O autor de "Pastoral Americana" já havia manifestado essa intenção numa entrevista concedida no mês passado à revista francesa Les Inrocks. "Para lhe dizer a verdade, para mim já chega", disse Roth à revista. "‘Nemesis' (romance lançado em 2010) será meu último livro."

"Ele me disse que é verdade", disse Lori Glazer, vice-presidente e diretora-executiva da Houghton Mifflin, à Reuters.

Roth, de 79 anos, escreveu mais de 25 romances em uma carreira que durou mais de meio século. Nunca ganhou o prêmio Nobel, mas várias vezes seu nome foi citado como candidato.

O autor ganhou o prêmio Pulitzer por seu romance "Pastoral Americana", de 1997, e foi agraciado com o Prêmio Nacional do Livro dos EUA em duas ocasiões (1960 e 1995).

Outras obras de destaque incluem "Adeus, Columbus", que o lançou na carreira literária, em 1959, e o sexualmente explícito "O Complexo de Portnoy".

Leia também: Escritor Philip Roth vence prêmio Man Booker International

Na entrevista à Les Inrocks, Roth disse que sempre achou difícil escrever e que não quer mais saber de ler, escrever ou falar sobre livros. Ele contou que, aos 74 anos, começou a reler seus romances favoritos de escritores como Ernest Hemingway, Ivan Turgenev e Fyodor Dostoyevsky, e então se pôs a reler toda a sua própria obra.

"Quis ver se eu havia perdido meu tempo escrevendo. Depois disso, decidi que para mim já estava bom de ficção", disse ele, segundo a revista. "Dediquei minha vida ao romance: estudei, lecionei, escrevi, li - em detrimento de quase todo o resto. Já chega! Não sinto mais esse fanatismo por escrever que experimentei a vida inteira. A ideia de tentar escrever de novo é impossível."

    Leia tudo sobre: Philip Rothliteratura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG