Nobel de Literatura, Mo Yan ganhará parque temático na China

Investimento custará mais de R$ 200 milhões e pretende promover o turismo na cidade de Gaomi

EFE |

EFE

As autoridades de Gaomi, cidade natal de Mo Yan, prêmio Nobel de Literatura 2012 , planejam fazer um investimento milionário para criar um parque temático em homenagem ao escritor.

Segundo o jornal "Beijing News", que não especificou se as autoridades tiveram aprovação do escritor, a chamada "Zona para a Experiência Cultural Mo Yan" contará com um investimento de mais de US$ 100 milhões (R$ 203 milhões) e será construído em uma área de lazer da cidade, situada no nordeste da China.

Siga o iG Cultura no Twitter

A ideia é transformar Gaomi, onde Mo Yan continua se resguardando do assédio da imprensa, em um verdadeiro centro turístico, já que a maioria das histórias do escritor se ambienta nesta cidade e esmiúça a vida do campesinato da província de Shandong.

Leia também: Para dissidente, ganhador do Nobel é "poeta de Estado"

Em homenagem à obra mais famosa de Mo Yan, "Red Sorghum: A Novel of China" - que inspirou o filme "Sorgo Vermelho", do diretor Zhang Yimou -, as autoridades pensam em plantar 650 hectares desse tipo de grão, uma iniciativa que, inclusive, resgatará uma tradição que já havia se perdido.

Leia também: Novo livro de Nobel de Literatura é sucesso de vendas na China

Mo Yan ("Não Fale", em mandarim), que, na verdade, se chama Guan Moye, se tornou uma verdadeira febre no país asiático desde que ganhou o Nobel de Literatura há uma semana . Aliás, Mo Yan é considerado o primeiro autor chinês a ganhar o prestigiado prêmio, já que o vencedor do ano 2000, Gao Xingjian, é naturalizado francês e bastante crítico ao regime comunista.

Polêmica no Nobel

A Academia Sueca rejeitou nesta quinta-feira (dia 18) o fato de que um de seus membros estivesse "impedido" de participar da decisão sobre o Nobel de Literatura 2012 devido a um possível conflito de interesses, por ser tradutor do agraciado, o chinês Mo Yan.

"Deveriam ler Mo Yan em vez de impulsionar essas discussões", disse o secretário permanente da Academia, Peter Englund.

Diversos meios de comunicação tinham sustentado que na decisão da Academia a favor de Mo Yan tinha sido essencial o trabalho do sinólogo e acadêmico Göran Malmqvist, de 88 anos. Malmqvist, como tradutor de Mo Yan, poderia ver-se beneficiado indiretamente pelo prêmio devido à maior circulação das obras do autor chinês, segundo esses meios.

De acordo com Englund, Malmqvist só traduziu Mo Yan por incumbência da Academia e os possíveis royalties dessas traduções passarão a esta.

    Leia tudo sobre: mo yannobel de literaturalivros

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG