Revista MAD completa 60 anos

Veja infográfico com as clássicas dobradinhas da publicação, além de entrevista com o editor brasileiro

Guss de Lucca | - Atualizada às

A revista MAD vai completar 60 anos em outubro. A publicação, lançada nos EUA em 1952, surgiu de uma ideia do cartunista Harvey Kurtzman, criador do mascote Alfred E. Neuman.

Para comemorar a data, a Time Home Entertainment lançará o livro "Totally MAD: 60 Years of Humor, Satire, Stupidity and Stupidity" ("MAD Total: 60 Anos de Humor, Sátira, Idiotices e Idiotices", em português).

Veja infográfico com as clássicas dobradinhas da revista abaixo

Organizado por décadas, "Totally MAD" terá 256 páginas com informações sobre a origem da revista, além de trabalhos dos escritores e ilustradores que fizeram parte de sua história - o "grupo habitual de idiotas", como eles costumam se autodenominar.

Entre os nomes famosos que passaram por sua redação, estão Al Jaffee, Dave Berg, Don Martin, Sergio Aragonés e Antonio Prohias. "Certamente a revista me influenciou. Eu adorava as sátiras, os microcartuns do Aragonés, as crônicas da classe média americana que o Dave Berg fazia, o humor enlouquecido do Don Martin. Foram modelos que me iluminaram bastante", disse o cartunista Laerte Coutinho ao iG .

Para o quadrinista  Gustavo Duarte , a MAD teve um papel importante em sua formação artística. "Nomes como Aragonés e Don Martin me influenciaram e influenciam até hoje. Esses caras eram o que eu queria ser quando crescer. Muito do que aprendi de humor e narrativa gráfica vem dali."

MAD no Brasil

No Brasil, a MAD passou por quatro editores diferentes. Sua estreia ocorreu em 1974, na Editora Vecchi. Em 1983, a publicação foi para a Record, que cancelou a revista em 2000. De 2000 a 2006, ficou com a Mythos. Em 2008, voltou às bancas pela Panini, com quem permanece até hoje. Desde a sua primeira publicação no país até 2008, a MAD brasileira foi editada pelo jornalista e cartunista Otacílio D’Assunção, o Ota. Depois de sua saída, a publicação ficou nas mãos de Raphael Fernandes, seu atual editor.

Divulgação
Capa da MAD brasileira que satiriza o seriado "Game of Thrones"

Siga o iG Cultura no Twitter

Em conversa com o iG , Raphael falou sobre as diferenças entre as publicações nos EUA e no Brasil e sobre o aniversário da edição nacional, que completa 40 anos em 2014.

iG: Como você começou a trabalhar na MAD?
Raphael Fernandes: Eu era editor assistente da Marvel e DC na editora Mythos. Um dia vi o editor que fechava a MAD Especial, que era feita em São Paulo (a MAD mensal era então feita por Ota no Rio de Janeiro), montar a revista com uma imagem que já havia sido utilizada. Comentei com ele e em poucos dias a MAD Especial já estava comigo, em 2006. A partir do número 8, lançado pela Panini em 2008, assumi a revista mensal.

iG: Qual a principal diferença entre a Mad do Brasil para a dos EUA?
Raphael Fernandes:  Eles estão muito presos à fórmula da MAD dos anos 1960. Caras como o Dave Berg, o Sérgio Aragonés, ficaram por muito tempo fazendo seções fixas, eles não ousam.
A nossa sátira é completamente anárquica. A que fizemos do seriado "Game of Thrones", por exemplo, começa como uma sátira normal da MAD e fica tão louca que vira uma história própria. Somos mais ousados. Damos liberdade para os desenhistas que temos aqui.
A vantagem deles nos EUA é ter anunciantes. Nós só vivemos de banca. Além disso, eles têm alguns artistas com os quais é difícil competir, principalmente o das dobradinhas. Elas são insuperáveis, não dá para imitar. É muito difícil fazer aquilo e o cara que faz tem 90 anos - está há 50 anos na MAD.

iG: Quanto da MAD brasileira é de material nacional?
Raphael Fernandes:  Antes havia 50% de conteúdo gringo, hoje temos 70% de material nacional. Às vezes os leitores enviam cartas dizendo que detestaram a parte nacional da MAD, mas só falam de conteúdo gringo - prova que os leitores são realmente idiotas (risos).

iG: Qual a tiragem atual da revista no Brasil?
Raphael Fernandes: Em torno de 10 a 15 mil exemplares mensais.

iG: Em outubro a MAD comemora 60 anos nos EUA. Vocês pretendem fazer alguma coisa na edição nacional?
Raphael Fernandes: Por enquanto não pensamos em nada para os 60 anos da MAD gringa. Talvez algum reflexo do que sair lá fora. O lance agora é a edição número 50 da MAD brasileira. Desde a época da Record somos a primeira editora a chegar ao número 50. E tem os 40 anos da MAD no Brasil, em 2014, que está chegando.

    Leia tudo sobre: MADAlfred E Newmanhistórias em quadrinhos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG