Livros de Amado abriram 'novo mundo' para leitores no Leste comunista

Para especialistas, obras como 'Gabriela, Cravo e Canela' e 'Dona Flor e Seus Dois Maridos' varreram o imaginário de russos e alemães orientais como uma 'tempestade tropical'

BBC Brasil | - Atualizada às

BBC

Reprodução
Capa da edição russa de 'Dona Flor e Seus Dois Maridos'

"Como um tornado tropical, a vida desconhecida e misteriosa de um distante Novo Mundo caiu sobre nós, tirando o nosso fôlego com suas tempestades e paixões".

Com essas palavras, a filóloga e pesquisadora de literatura latino-americana da antiga União Soviética Vera Kuteishchikova (URSS) saudou, em um artigo no influente semanário de cultura Literaturnaia Gazeta, o 70º aniversário de Jorge Amado, em 1982.

A frase dá uma boa ideia do impacto da obra do escritor baiano - cujo centenário de nascimento está sendo celebrado nesta sexta-feira (10)  - não apenas na Rússia, mas também em outros países do Leste Europeu nos tempos do comunismo, um fenômeno talvez pouco conhecido do público brasileiro.

Leia também: Os melhores livros, filmes e programas de TV de Jorge Amado

Vários livros de Amado foram traduzidos e publicados nos países comunistas. Na Rússia, segundo informações levantadas pela pesquisadora e tradutora Elena Beliakova, da Universidade Estatal Cherepovets, o primeiro foi "São Jorge de Ilhéus", lançado pela editora Literatura Estrangeira em 1948, cinco anos antes da morte de Stalin.

Mensagem

Em um primeiro momento, como sugere Beliakova no ensaio Percepções de Jorge Amado na Rússia, a preocupação dos burocratas que decidiam, em nome do Estado, o que poderia ou não ser distribuído ao ávido público leitor soviético em pleno auge do stalinismo, era com a "mensagem".

"São Jorge de Ilhéus", saga que tem o ciclo do cacau, o coronelismo e a exploração extrativista promovidas por empresas internacionais como pano de fundo, se encaixava no espírito de denúncia das mazelas do imperialismo americano, tão difundido pela máquina de propagado soviética na época.

O fato de o autor baiano ter sido um dos mais proeminentes membros do Partido Comunista Brasileiro certamente ajudou na decisão de permitir sua publicação - e a tornar Amado, ao lado de Pablo Neruda e Gabriel García Márquez, em um dos populares escritores latino-americanos de todos os tempos na Rússia.

Mas se o humanismo e o senso de justiça em livros como "Seara Vermelha" e, notadamente, "Os Subterrâneos da Liberdade" - a maior empreitada de Amado no estilo do realismo socialista e que teria, segundo Beliakova, sido quase que "encomendado" pelos soviéticos, que ansiavam pela primeira obra de um autor latino-americano neste estilo - encantavam as autoridades, Amado acabou conquistando um lugar cativo nos corações de leitores russos por outra razão, justamente por introduzi-los ao tal "Novo Mundo" a que Kuteishchikova se refere acima.

Leia também:  Centenário de Amado relembra autor que "melhor escreveu um país"

Esse mundo veio com dois livros, "Gabriela, Cravo e Canela" e "Dona Flor e Seus Dois Maridos", publicados na URSS, respectivamente, em 1961 e 1970. "Os leitores não queriam apenas ler sobre o amor trágico, não correspondido, não realizado, (temas) que dominavam as obras de autores soviéticos e russos", diz Beliakova. "Mas também sobre o amor que vence, supera tudo e, o que não é menos importante, sensual."

"Podemos ouvir os sinos radiantes de amor ardente e puro, que traz inesgotáveis alegrias e regozijo da alma" diz Oleg Volkov, no prefácio de "Dona Flor...", que veio a ser o livro mais vendido de Amado na URSS.

Reprodução
Capa da edição alemã de 'Mar Morto'

A "alegria de viver" na obra de Amado era um a coisa "estranha à literatura russa", escreve Beliakova em seu ensaio. "Nós russos encaramos a vida muito tragicamente e nos cansamos de nós mesmos nessa tragédia cotidiana. É difícil ser otimista quando se tem diante dos olhos, ao longo de sete meses do ano, uma planície infinita coberta de gelo sob um céu cinzento e sem um único dia de sol."

"Em situações como essas, os romances de Amado, como uma dose reforçada de vitamina C, regeneram a vida. Nos dão a leveza e harmonia com o mundo de que tanto precisamos."

Alemanha Oriental

As mesmas razões podem explicar o sucesso de Amado na antiga Alemanha Oriental (DDR, na sigla alemã), onde havia um "anseio por lugares distantes e exóticos, aventuras e liberdade" que era projetado na literatura latino-americana, segundo Jens Kirsten, acadêmico e autor do livro Lateinamerikanische Literatur in der DDR (Literatura latino-americana na DDR).

Para Kirsten, Amado e Pablo Neruda eram os principais e mais conhecidos representantes dessa literatura no país. Em entrevista à BBC Brasil, ele contou que entre 1950 e 1990 - ano da queda do Muro de Berlim - foram lançados 20 livros de Amado. A exemplo do que ocorreu na URSS, seus livros eram lançados por uma editora estatal dedicada à literatura estrangeira, Volk und Welt (Povo e Mundo), e Amado foi cortejado pelas autoridades.

Se na URSS ele foi agraciado com o prestigioso Prêmio Stalin, em 1951, em Berlim Oriental ele recebeu, no mesmo ano, o não menos ressonante Prêmio Lenin. Os livros mais populares de Amado na Alemanha Oriental, entretanto, foram obras mais do início de carreira do autor, como "Jubiabá" e "Capitães da Areia".

Segundo Kirsten, o interesse pelos livros de Amado pode ter sofrido um duro baque no país, pois "o interesse por literatura latino-americana praticamente se evaporou da noite para o dia" com o colapso dos sistemas comunistas no Leste Europeu em 1990. Com a abertura das fronteiras, o sonho de visitar os tão ansiados "lugares distantes e exóticos" deixou de ser impossível, diz Kirsten.

    Leia tudo sobre: jorge amadoliteratura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG