Religião, negócios e gastronomia ganham espaço na Bienal do Livro de São Paulo

Segmentos são parcela significativa do mercado; número de representantes internacionais dobrou desde a última edição

Cíntia Esteves - Brasil Econômico | - Atualizada às

Agência Estado
Bienal em São Paulo terá investimento de R$ 32 mi

Se na Bienal do Livro de 2010 foi a vez das histórias de vampiros e das séries adolescentes de autoras como Paula Pimenta e Thalita Rebouças, na edição deste ano chama a atenção a quantidade de lançamentos com conteúdo religioso, além de temas envolvendo a recente história política brasileira, como ditadura e redemocratização. Não é a toa.

“O segmento religioso, por exemplo, está entre os que mais crescem”, afirma Mansur Bassit, diretor executivo da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e um dos organizadores da 22ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo, que acontece entre 9 e 19 de agosto no Pavilhão de Exposições do Anhembi.

Leia também:  Bienal do Livro de SP quer receber 800 mil pessoas em 2012

Outro destaque é a importância que as obras relacionadas a negócios e carreiras estão ganhando. Este ano, pela primeira vez, a categoria ganhou um espaço para palestras e debates, o qual será coordenado pelo jornalista Quartim de Moraes.

E para quem se interessa por gastronomia vale a pena visitar o espaço Cozinhando com Palavras. Nele, o curador é o chef paulistano e autor de livros André Boccato. Uma cozinha cenográfica convidará chefs-autores para ministrarem aulas interativas.

“As obras brasileiras com temas de gastronomia não são apenas livros de receita. Elas trazem textos sofisticados e buscam a história dos alimentos”, afirma Bassit.

Siga o iG Cultura no Twitter

O evento também ganha novo fôlego com o aumento do número de expositores. Serão 134 representantes internacionais, o dobro da edição de 2010. Entre os brasileiros, marcam presença 346 editoras nacionais, aumento de 22%. “O Brasil está no centro das atenções, apesar dos gargalos de infraestrutura”, afirma o diretor da Bienal.

Com investimento de mais de R$ 32 milhões, a Bienal estará recheada de atrações culturais e promete ser uma “grande experiência”, diz Bassit.

Leia mais notícias de economia, política e negócios no jornal Brasil Econômico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG