TV e cinema turbinam vendas de best-sellers literários

George R. R. Martin, Suzanne Collins e Rick Riordan vendem milhões de livros com o apoio da adaptação de séries como "As Crônicas de Gelo e Fogo", "Jogos Vorazes" e "Percy Jackson"

Guss de Lucca , iG São Paulo |

Mesmo quem não entra em uma livraria há tempos já deve ter trombado com as criações dos escritores George R. R. Martin, Suzanne Collins e Rick Riordan. Nos últimos meses, suas obras dominaram não apenas as listas de livros mais vendidos nos EUA e no Brasil como também conquistaram milhões de fãs com suas adaptações para a TV e para o cinema.

Martin, de 63 anos, é o mais velho do trio e desfruta desde 2011 da popularidade atraída pelo seriado de TV "Game of Thrones". Adaptação da série de livros "As Crônicas de Gelo e Fogo", que teve seu primeiro volume publicado em 1996 nos EUA, o programa colocou holofotes sobre a obra do escritor, que já havia trabalhado como roteirista de TV.

Publicadas no país pela LeYa Brasil, cada parte da série "As Crônicas de Gelo e Fogo" debutou no primeiro lugar da lista de mais vendidos de ficção - Martin não sai dessa lista desde maio de 2011. De acordo com a editora, a coleção toda está próxima de atingir a marca de 1 milhão de exemplares vendidos no país.

Getty Images
George R. R. Martin durante a Comic-Con 2011

Fã de histórias em quadrinhos, Martin começou a escrever contos de fantasia e ficção científica nos anos 1970. Nos anos 1980, elen migrou para a televisão: escreveu roteiros para as séries "Além da Imaginação" (1986) e "A Bela e a Fera" (1987-1990). Em 1991, rascunhou o que se tornaria a saga "As Crônicas de Gelo e Fogo". 

Siga o iG Cultura no Twitter

O primeiro livro da série, "Guerra dos Tronos", saiu em 1996. Depois vieram "A Fúria dos Reis", em 1998; "A Tormenta de Espadas", em 2000; "O Festim dos Corvos", em 2005; e "A Dança dos Dragões", em 2011.

Segundo Martin, sua ideia era criar uma história que contasse com muitos personagens e acontecimentos - o que, para ele, impossibilitaria uma adaptação para qualquer formato audiovisual.

Se o primeiro livro não foi um sucesso em seu lançamento, sua quarta parte, "O Festim dos Corvos", de 2005, alcançou o topo das listas de best-sellers do New York Times e do Wall Street Journal. A saga tornava-se um fenômeno editorial.

Casado com Parris McBride, Martin mora em Santa Fé (EUA), onde divide seu tempo entre os roteiros da série e seu sexto livro, "The Winds of Winter" (ainda sem tradução para o português).

Inspiração em Alice

Assim como Martin, Suzanne Collins também trabalhou em programas de TV antes de se dedicarà literatura. Passou dez anos escrevendo para programas do canal infantil Nickelodeon até a publicação de "Gregor the Overlander", em 2003.

Divulgação
Jennifer Lawrence na adaptação de "Jogos Vorazes"

O livro, o primeiro da série de cinco volumes "The Underland Chronicles", encerrada em 2007, foi inspirado pelo clássico "Alice no País das Maravilhas" - mas com um viés urbano. Na história, Gregor, um menino de 11 anos, encontra um portal para o Underworld, um local habitado por criaturas fantásticas.

Apesar de entrar para a lista de best-sellers do New York Times, "The Underland Chronicles" não chegou perto do sucesso alcançado pela saga seguinte, a trilogia iniciada em 2008 com o lançamento da aventura adolescente "Jogos Vorazes" .

Se no mercado tradicional os livros atingiram bons números (os dois primeiros volumes venderam 1,5 milhão de cópias nos EUA), no mercado digital as vendas surpeenderam.

Com o apoio da adaptação cinematográfica de "Jogos Vorazes" (2012), Collins se tornou a autora mais vendida de livros no Kindle (leitor digital de livros da Amazon). Além disso, o site revelou que das 100 citações mais grifadas pelos usuários do aparelho, 29 pertencem a autora.

Lançado no Brasil em maio de 2010, a trilogia formada por "Jogos Vorazes", "Em Chamas" e "Esperança" vendeu mais de 200 mil exemplares no país.

Resta aos fãs de Collins esperar pelos dois próximos filmes da saga. A autora já revelou que seu próximo trabalho, um livro ilustrado em parceria com o escritor James Proimos, será focado no público infantil.

Linha de produção

Enquanto Martin e Collins seguem um modelo tradicional de escrita, o norte-americano Rick Riordan trabalha no que pode ser chamado de "linha de produção de séries literárias".

Criador do personagem Percy Jackson, adolescente que dá nome à saga "Os Olimpianos" , Riordan assina outras séries ao mesmo tempo em que produz a do jovem herói - entre elas as adolescentes "Os Heróis do Olimpo", "As Crônicas de Kane" e "The 39 Clues".

Getty Images
Rick Riordan é autor de quatro séries literárias, entre elas "Percy Jackson e os Olimpianos"

No caso de "39 Clues", série inédita no Brasil que envolve dez livros lançados em intervalos de três meses, Riordan é um dos desenvolvedores da história do primeiro livro - os demais são escritos por outras pessoas.

Nas demais séries, o autor escreve as histórias de próprio punho. Ele conta com a ajuda da mulher, Beck, que atua como editora, e de seus filhos, Haley, de 17 anos, e Patrick, de 14. Enquanto o mais velho, que foi a inspiração para a criação de Percy, escreve algumas páginas da antologia sobre os trabalhos do pai, o caçula recebe US$ 10 por erros encontrados em seus manuscritos - ele já acumulou US$ 400 em um dos livros.

No Brasil, Riordan é conhecido desde 2008, ano em que "O Ladrão de Raios", primeira aventura de Percy Jackson, foi publicada. Desde então, o autor já vendeu 1,7 milhão de exemplares no país, divididos entre suas nove obras traduzidas para o português.

Assim como os outros autores, o caminho natural das criações de Riordan é o audiovisual. Após o lançamento no cinema de "Percy Jackson e o Ladrão de Raios", em 2010, a segunda versão da saga, "Percy Jackson e o Mar de Monstros", está prevista para agosto de 2013.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG