Ai Weiwei está desaparecido desde domingo, quando foi abordado pela polícia ao embarcar em um avião para Hong Kong

AP
Ai Weiwei, em foto de 2010
A Grã-Bretanha pediu nesta segunda-feira, 04, a libertação do artista chinês Ai Weiwei, crítico destacado do Partido Comunista chinês que foi detido pela polícia quando estava prestes a embarcar em um avião para Hong Kong.

"Estou muito preocupado com a notícia de que Ai Weiwei foi detido pelas autoridades chinesas", disse o secretário do Exterior britânico, William Hague, em comunicado. "Peço ao governo chinês que esclareça com urgência qual é a situação de Ai e garanta seu bem-estar. Espero que ele seja libertado imediatamente." Hague acrescentou que os direitos humanos implementados sob o Estado de direito constituem "pré-requisitos essenciais" para a prosperidade e estabilidade de longo prazo da China.

A galeria Tate Modern, em Londres, onde a enorme instalação "Sementes de Girassol", de Ai, composta de 100 milhões de réplicas de sementes feitas de porcelana , está em exibição no enorme salão Turbine, também declarou estar preocupada com o desaparecimento do artista. "Estamos consternados pelos fatos que mais uma vez ameaçam o direito de Weiwei de expressar-se livremente como artista e esperamos que ele seja libertado imediatamente", disse um porta-voz da galeria.

A detenção do artista plástico de 53 anos se soma a uma lista crescente de dissidentes detidos por um governo determinado a sufocar qualquer indício de contestação de seu poder no momento em que se aproxima de uma transição em sua liderança, no final de 2012.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.