Centro histórico da cidade, no interior de São Paulo, foi declarado como patrimônio cultural brasileiro

São Luiz do Paraitinga, em São Paulo
Agência Estado
São Luiz do Paraitinga, em São Paulo
Bandas tocando tradicionais marchinhas do carnaval luizense no coreto, centro histórico tomado pela multidão, bonecos gigantes alegrando turistas e moradores e manifestações religiosas da Festa do Divino. Tudo isso em um só dia em São Luiz do Paraitinga, no Vale do Paraíba (SP). A festa deste domingo celebrou a preservação da cidade como patrimônio brasileiro e atraiu centenas de pessoas para o circuito cultural organizado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Entre os moradores felizes com a recuperação de parte da cidade e o reconhecimento nacional, estava o metalúrgico José Pereira de Moura Júnior. "Agora está tudo se normalizando, foi muito triste a cidade destruída", comenta. "Quero ver essa cidade cheia novamente, o carnaval está aí", programa o metalúrgico que espera embolsar R$ 6 mil com o aluguel do andar inferior de sua casa para o carnaval.

Para a aposentada Maria Maia, que acompanhou um dos trajetos do cortejo cultural da janela de casa, foi uma felicidade ver a cidade movimentada. "Perdi tudo, fiquei dois meses morando na casa de parentes, senti muita falta dessa gente, aqui eu nem preciso ir para o coreto", apontando para a multidão que deixava o mercado municipal seguindo uma das bandas.

Mas nem todos puderam acompanharam a festa da janela de casa. A funcionária pública Maria Menilda de Almeida ainda aguarda autorização das autoridades para reformar sua casa próxima ao mercado - área totalmente coberta pelas águas de janeiro. "Estamos morando em outra casa, na zona rural", diz a funcionária pública.

"Muitos foram embora, muitos pensaram em sair, mas também muitos ficaram aqui", anunciava o artista no palco ao cantar a música "Gente Caipira". Para o diretor de turismo da cidade, Eduardo de Oliveira Coelho, "foi necessário a cidade quase acabar para ver tudo o que temos", desabafa.

No mercado municipal, um dos símbolos da cidade que ficou totalmente submerso e foi o primeiro patrimônio a ser restaurado, centenas de pessoas acompanharam apresentações de Moçambique e Congada. Manifestações folclóricas que o Iphan promete registrar em um mapeamento de referências culturais a ser feito em São Luiz do Paraitinga.

A área declarada como patrimônio cultural brasileiro abrange o centro histórico e a preservação do visual das montanhas da Serra do Mar, uma área total que ultrapassa 6,5 milhões de metros quadrados. Segundo o Iphan, o prejuízo da enchente de janeiro foi estimado em R$ 100 milhões. O Governo Federal repassou R$ 10 milhões para escoramento de imóveis, limpeza da cidade, restauro dos santos e preparação do inventário para o tombamento.

Em 2011, são esperadas 10 mil pessoas para o carnaval, que terá limitação de entrada de carros na cidade e locais alternativos para as tradicionais marchinhas - diversos casarões ainda precisam ser reconstruídos ou reformados. A prefeitura está preparando um espaço de 8 mil metros quadrados para apresentação de bandas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.