Exposição retrata a arte indiana no CCBB do Rio de Janeiro

Em 2012, a exposição vai chegar a São Paulo e Brasília

AE |

selo

Tudo é tão grandioso. São 1,21 bilhão de habitantes, distribuídos em mais de 200 etnias. Só de línguas oficiais são 20. Religiões são seis. Resumir a complexidade da Índia numa única exposição é tarefa arriscada mesmo para um curador experiente. Por conta disso, Pieter Tjabbes, holandês radicado em São Paulo, escolheu lançar o que ele chama de "olhar caleidoscópico" sobre a diversidade cultural indiana.

Divulgação
Escultura em bronze que representa o Buda da Compaixão, do Museu Rietberg [Zurique, Suíça]
Depois de três temporadas no país, de longas conversas com artistas indianos e muitas visitas a ateliês, Tjabbes transformou o alvoroço de ideias na bela exposição "Índia!", que será inaugurada na quarta-feira (12) no Centro Cultural do Banco do Brasil no Rio. Em 2012, a exposição chega a São Paulo e Brasília.

"Na Índia tudo é demais. Isso é que é divertido. É muita informação. Muita cor, muito cheiro, muita pimenta, muita gente, muito trânsito, muito barulho. Tudo é muito", diz Tjabbes.

Responsável por exposições memoráveis, como "O Mundo Mágico de Escher" , Tjabbes quer mexer com o público. "Eu transmito esta confusão que a Índia me causou. Quero que o visitante saia meio tonto, dizendo Uau!!". Tonto com tanta informação, mas deslumbrado com a beleza das peças.

Logo na entrada, já dá para sentir o impacto das obras. Na rotunda do histórico prédio do CCBB, uma imagem do deus Ganesh sobre um altar e uma escultura contemporânea de Ravinder Reddy, de cinco metros de altura, mostram que a exposição mistura passado e presente.

A peça mais antiga, o busto de uma figura feminina, provavelmente a deusa mãe Mathura, data aproximadamente de 200 a.C. É uma escultura em pedra, emprestada pelo Museu de Arte Asiática de Berlim. As obras antigas vieram também do Museu Rietberg, de Zurique, do Museu Volkenkunde, da Holanda, de coleções particulares e do Museu Histórico Nacional, do Rio. Instituições privadas e artistas indianos emprestaram fotos antigas.

Divugação
Buda no momento de sua iluminação mostrando o gesto de chamar a terra por testemunha
Em 18 salas e 380 peças, "Índia!" é uma viagem aos mistérios do país, partindo da força da sua arte popular. "Foi o que mais me encantou na Índia. Eu investi em procurar os melhores artistas, encomendei obras a eles. Boa parte dos que têm peças aqui são artistas premiados. Procurei também artistas jovens. Eles são prova de que arte popular é uma tradição viva".

A exposição mostra também cenas do cotidiano e dá grande destaque a uma paixão dos indianos: a narração de estórias. Sob curadoria de um expert no assunto, o indiano Dadi Pudumjee, há marionetes, fantoches, bonecos de sombras. Não haverá apresentação de narradores, mas o público vai poder assistir a filmes destas exibições.

A exposição está dividida em quatro módulos: homem, deuses, formação da Índia moderna e arte contemporânea. São esculturas, tecidos, bonecos de contadores de história, móveis e até o tuk-tuk, triciclo com cabine para transporte de dois, três ou seis passageiros muito utilizado em grandes cidades da Índia. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG