Especialistas acreditam ter encontrado obra inacabada de Da Vinci

"A Batalha de Anghiari" pode estar escondida atrás de uma pintura de Giorgio Vasari, na sede da prefeitura de Florença

iG São Paulo com AFP |

AFP
"A Batalha de Anghiari" pode estar escondida atrás da obra de Vasari
Especialistas anunciaram nesta segunda-feira em uma coletiva de imprensa em Florença, capital da Toscana, que acreditam ter encontrado rastros de uma obra inacabada que atribuem ao gênio italiano do Renascimento Leonardo da Vinci.

Siga o iG Cultura no Twitter

Estes rastros foram encontrados graças a microcâmeras colocadas através de uma obra do pintor Giorgio Vasari, que se encontra no famoso Salão dos Quinhentos do Palazzo Vecchio, símbolo do poder da família Médici e atualmente sede da prefeitura de Florença.

Segundo os especialistas, seria a mesma tinta preta utilizada por Da Vinci para pintar a "Mona Lisa".

"São dados estimulantes, mesmo que estejamos apenas em uma fase preliminar da investigação e com muito trabalho para resolver o mistério. As provas nos sugerem que vamos por um bom caminho", disse o professor de História da Arte da Universidade de San Diego, Maurizio Seracini, que está à frente da pesquisa.

Leia também: Nova versão da "Mona Lisa" de Da Vinci é encontrada na Espanha

A investigação gerou controvérsia na Itália. Cerca de uma centena de historiadores assinaram um manifesto no qual denunciaram o que chamaram de "operação publicitária ao estilo Dan Browm", autor do best-seller "O Código Da Vinci".

Os historiadores também temem que as microssondas utilizadas por Seracini tenham danificado o afresco de Vasari, pintado em 1563, chamado "Batalha de Marciano".

Autoridades culturais de Florença, entre elas a Oficina das Pedras Duras, uma entidade especializada na restauração de pinturas, estão convencidas de que Vasari pintou seu afresco em cima da pintura inacabada de Da Vinci, que se chamaria "A Batalha de Anghiari".

Por enquanto não existem provas definitivas da descoberta e serão necessárias mais análises, reconheceram os mesmos especialistas.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG