Diretor teatral Thomas Ostermeier recebe Leão de Ouro

Prêmio foi concedido pela Bienal de Teatro de Veneza pelo conjunto da obra do alemão

EFE |

Divulgação
O diretor teatral alemão Thomas Ostermeier
O diretor teatral alemão Thomas Ostermeier foi agraciado com o Leão de Ouro da Bienal de Teatro de Veneza pelo conjunto de sua obra, informou nesta quarta-feira a organização do evento.

A entrega do prêmio acontecerá no dia 10 de outubro, durante a abertura da 41ª edição do Festival Internacional de Teatro, organizada pelo espanhol Àlex Rigola, diretor do Teatro Lliure de Barcelona. A produção do festival premiou a "busca constante por novas formas de comunicação que a arte efêmera do teatro requer continuamente", desenvolvida por Ostermeier.

O alemão é "um ponto de referência internacional na revisão de textos clássicos e na colocação em cena da nova dramaturgia contemporânea", declararam os organizadores.

"Como diretor, conhecedor e respeitador da importância do artista, soube criar junto com seus atores um grande trabalho interpretativo, cuja característica principal é a capacidade de combinar verdade cênica e artifício."

Thomas Ostermeier participou pela primeira vez da Bienal de Teatro de Veneza com a obra "Shopping and Fucking", de Mark Ravenhill, e neste ano abrirá a 41ª edição com uma versão de "Hamlet". Além disso, participará de uma oficina para atores sobre os sete pecados capitais, junto com outros seis professores da cena contemporânea.

A Bienal concedeu também nesta quarta-feira o Leão de Prata, que reconhece as novas realidades teatrais, ao diretor suíço Stefan Kaegi. "O trabalho como diretor e dramaturgo de Kaegi esteve acompanhado sempre pela busca e reflexão sobre os problemas reais do mundo e em particular, sobre os problemas ligados à globalização", segundo a organização.

Autor de peças como "Mnemopark" e "Radio Muezzin", "Kaegi é um dos mais destacados de uma nova geração de artistas que procura no teatro uma via para falar de temas políticos e sociais". A organização da Bienal destaca as "ações teatrais de forte impacto, destinadas a surpreender e a fazer refletir, mudando as regras tradicionais de fazer teatro".

Na 41ª edição da Bienal de Teatro, o suiço apresentará seu último trabalho "Bodenprobe Kasakhstan" e dirigirá a oficina de teatro e novas tecnologias "Vídeo Walking Venice". Ambos reconhecimentos foram propostos por Àlex Rigola e referendados pelo conselho de administração da Bienal de Veneza, presidido por Paolo Baratta.

Anteriormente haviam sido premiados com o Leão de Ouro pelo conjunto da obra dedicada ao teatro Ferruccio Soleri, Ariane Mnouchkine, Roger Assaf e Irene Papas.

    Leia tudo sobre: teatro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG