Assinatura feita com a mão direita foi descoberta no Arquivo de Estado de Milão, em um documento com data de 1483

Divulgação
"A Dama com Arminho", pintado entre 1488 e 1490 por Da Vinci
Uma assinatura de Leonardo da Vinci feita com a mão direita foi descoberta no Arquivo de Estado de Milão, em um documento notarial com data de 25 de abril de 1483, confirmou nesta quarta-feira a diretora do estabelecimento, María Barbara Bertini.

O artista costumava assinar suas obras com a mão esquerda, para que só pudessem ser lidas diante de um espelho, por isso a descoberta do documento assinado com a mão direita é "extraordinária".

"O documento estava em nossos arquivos, onde conservamos 58 mil listas notariais, e foi exposto em diversas ocasiões, em 1910, 1939 e em 2005", disse Maria.

No entanto, a diretora do Arquivo explicou que a assinatura só foi descoberta neste momento porque "o documento estava muito deteriorado" e só recentemente foi submetido a um processo de restauração. No texto, com "palavras misturadas" - parte em latim, parte em italiano - pode ser lida a frase "Io Lionardo da Vinci in tesstimonio ut supra scripsi" ("Eu Leonardo da Vinci dou testemunho do que está escrito acima").

A assinatura estava em um documento em papel de linho, que pertencia ao escritório do tabelião milanês Antonio de Capitani, e registrava a encomenda, a primeira de sua etapa em Milão, de um afresco no altar da igreja de São Francisco o Grande, atualmente destruída. Da encomenda surgiu a pintura "Virgem das Rochas", uma obra de caráter teológico que teve pelo menos duas versões não assinadas, mas atribuídas a Leonardo, atualmente expostas no Museu do Louvre, em Paris, e na National Gallery, em Londres.

Siga o iG Cultura no Twitter

Junto com Leonardo, assinaram também os irmãos Evangelista e Giovanni Antonio de Predis, ajudantes do pintor, o que confirma também as condições da assinatura, o custo e o tipo de materiais necessários para sua elaboração.

A carta é a primeira com essas características assinada por Leonardo da qual se tem notícia. Existe uma correspondência anterior entre o pintor e o cardeal Ippolito d'Este, de 1507, mas que não é totalmente válida porque seu nome e assinatura foram feitos por um escrivão. María Barbara Bertini confirmou também que uma reprodução digital do documento será exposta na sede do Arquivo de Estado de Milão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.