Cópia de "La Pietá" morta desvia atenção da Bienal de Veneza

Obra do artista belga Jan Fabre mostra a Virgem Maria como um esqueleto

EFE |

Divulgação
Obra de Jan Fabre exposta em Veneza
Uma nova reinterpretação da famosa "La Pietá" de Michelangelo gerou polêmica na Itália por representar a Virgem Maria, protagonista da obra, com o corpo de um esqueleto inerte e o rosto da morte.

A obra do artista belga Jan Fabre vai concorrer diretamente com a 54ª edição da Bienal de Arte de Veneza, já que estará exposta na cidade do norte da Itália nas mesmas datas do festival, de 1º de junho a 16 de outubro. Mas a polêmica sobre a nova imagem de Nossa Senhora não para por aí.

A escultura do artista belga representou o rosto de Jesus Cristo com particulares traços físicos. Chama a atenção que o corpo do filho de Deus esteja em avanço estado de decomposição, por isso que vários insetos emanam dos poros abertos do tronco do corpo humano e das feridas da face de Cristo.

Outra grande diferença de "La Pietá" de Fabre em comparação com a de Miguel Ângelo é que na obra do escultor belga Jesus sustenta com sua mão direita um cérebro.

"São os neurônios que permitem sentir a compaixão e por isso representei como um cérebro, do que tudo depende e inclusive a alma do indivíduo", explicou Fabre em várias entrevistas.

O artista explica que trabalhou durante dois anos para concluir essa obra e garante que o mármore utilizado para sua criação foi extraído do santuário de Carrara, no mesmo lugar do qual foi extraído o material usado por Michelangelo há mais de cinco séculos.

    Leia tudo sobre: Jan Fabre

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG