Zumbis politizados de Romero chegam a São Paulo

"Survival of the Dead", filme mais recente do diretor, é uma das atrações da segunda edição do SP Terror

Daniel Hassegawa, iG São Paulo |

Divulgação
Selecionado para a competição do Festival de Veneza, "Survival of the Dead" será exibido pela 1ª vez no Brasil
Em 1968, George A. Romero redefiniu o cinema de horror, em especial o subgênero “filmes de zumbis”, com "A Noite dos Mortos-Vivos". Ousado, o cineasta decidiu que seu herói seria um afro-americano, em meio à ebulição social vivida nos EUA durante a luta pelos direitos civis dos negros – Martin Luther King foi assassinado meses antes do lançamento do longa.

O filme se tornou um clássico, entrou para o acervo da Biblioteca do Congresso norte-americano e deu origem a uma franquia cuja quinta e mais recente sequência, "Survival of the Dead", que será exibida nesta sexta-feira (02), no Festival Internacional de Cinema Fantástico de São Paulo, o SP Terror. Como nas obras anteriores – "Despertar dos Mortos" (1978), "Dia dos Mortos" (1985), "Terra dos Mortos" (2005) e "Diário dos Mortos" (2009) –, Romero usa seus cadáveres ambulantes como alegoria para criticar a política, o consumismo e a apatia da sociedade.

Divulgação
George A. Romero: "pai" dos zumbis
A diferença deste filmes para seus antecessores é que o diretor transfere a ação de cenários urbanos para uma ilha na costa nordeste dos EUA, onde duas famílias de imigrantes irlandeses, rivais há séculos, brigam pelo destino dos zumbis locais. Os O’Flynn querem sua extinção, enquanto os Muldoon defendem que eles devem ser capturados até que alguma espécie de cura seja descoberta. Por conta disso, a trama inclui elementos de western, que dão um charme especial a "Survival of the Dead".

Fãs tradicionalistas talvez estranhem o uso exagerado de sangue em CGI (efeitos em computação gráfica, nos moldes dos utilizados por outros mestres como Scorsese em "Os Infiltrados" e Takeshi Kitano em "Zatoichi"), mas trata-se do melhor filme dirigido por Romero em anos.

Ele, aliás, está creditado como produtor executivo de outro destaque da programação do festival: "The Crazies – A Epidemia", que na verdade é uma refilmagem de "O Exército do Extermínio", dirigido pelo próprio Romero em 1973. No novo longa, Timothy Olyphant (o vilão de "Duro de Matar 4.0") é um xerife que vê a população de sua cidadezinha enlouquecer aos poucos após uma estranha intoxicação. Apesar da enxurrada de clichês, "The Crazies " consegue manter o clima de tensão até o fim e é uma razoável variação dos filmes com “zumbis/infectados”, como o "Extermínio" de Danny Boyle.

George A. Romero no SP Terror:
"Survival of the Dead": sexta (02), às 20h, Sala 2 do Reserva Cultural
"The Crazies": terça (06), às 22h, Sala 2 Reserva Cultural

    Leia tudo sobre: George A. RomerozumbisSP Terror

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG