Willem Dafoe fala de sua atuação em "John Carter"

Irreconhecível no papel do líder de uma tribo de marcianos, ator diz gostar de animação e de interpretar criaturas fantásticas

Agência Estado |

Divulgação
Willem Dafoe com o traje de captação de movimentos na filmagem de "John Carter"
Apesar do rosto reconhecidamente expressivo de Willem Dafoe, pode ser difícil encontrá-lo em "John Carter" , de Andrew Stanton.

Verde, com quatro braços, mais de 2 metros e meio de altura e falando uma língua desconhecida, ele interpreta Tars Tarkas, o rei de uma tribo de marcianos.

Siga o iG Cultura no Twitter

Aos 56 anos, Dafoe mantém uma carreira que transita entre grandes produções comerciais e longas independentes, além do trabalho no teatro.

Foi assim que reuniu uma galeria de personagens incomparáveis, como o sargento Elias, de "Platoon" (1986), Jesus em "A Última Tentação de Cristo" (1988) e o popular vilão Duende Verde da saga "Homem-Aranha" (2004 e 2007).

TV iG: Assista ao trailer de "John Carter"

Simpático, ele recebeu a reportagem num hotel em Phoenix, Arizona. A seguir, trechos da entrevista.

Antes de "John Carter", você fez "Procurando Nemo" (2003) com o diretor Andrew Stanton. Foi mais fácil aceitar o papel?
Willem Dafoe: Com certeza. Gosto do trabalho dele, de "Nemo" e "Wall-E". Eu sabia que faria um personagem de animação, que falaria uma língua inventada e teria que atuar em pernas de pau. Achei ótimo.

Você já foi peixe, inimigo do Homem-Aranha e, agora, um marciano. Gosta de se transformar nessas figuras?
Willem Dafoe:
Muito. Esses personagens criam novos estímulos. Se você está sempre voltado para a sua própria percepção de mundo, a sua visão não muda. É uma das coisas que gosto em relação aos filmes: eles me lembram de coisas que esqueci e me fazem ver outras formas. Isso recarrega as baterias.

Além da parafernália usada para gravar movimentos, para interpretar Tars Tarkas, você aprendeu a andar com pernas de pau. Como foi?
Willem Dafoe:
Foi divertido. Quando você está com 2,7 metros, tem seus movimentos tirados e cria novos. Você pensa, se move e interpreta de forma diferente.

null

    Leia tudo sobre: dafoejohn carterentre dois mundoscinemaentrevista

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG