Wellywood neozelandês incomoda Hollywood

Empresários americanos ameaçam entrar com processo por plágio contra letreiro em Wellington

EFE |

AP
O cineasta Peter Jackson
O projeto para a construção do gigantesco letreiro Wellywood no aeroporto de Wellington, na Nova Zelândia, incomodou os empresários de Hollywood, que ameaçaram entrar com um processo por plágio. O letreiro, que une os nomes de Wellington e Hollywood, pretende promover a cidade pela produção de filmes como os premiados "O Senhor dos Anéis" e "Avatar", e outros que ainda estão sendo rodados no local, como o longa "The Hobbit", informou recentemente a imprensa local.

O aeroporto internacional de Wellington deve construir o letreiro, que medirá 30 metros de comprimento por 8 metros de altura, no próximo mês na Península de Miramar. No entanto, a iniciativa incomodou a Câmara de Comércio de Hollywood, cujo presidente, Leron Gubler, ameaçou "levar o assunto a seus consultores legais", após expressar sua contrariedade. Gubler pediu às autoridades aeroportuárias que cooperem e reconheçam que a Câmara de Hollywood é a proprietária dos direitos do letreiro.

A ideia de Wellywood, que tem o apoio do cineasta Peter Jackson, é classificada por muitos como "vulgar", "grosseira", "ridícula" e "nada original", e condenada por 68% dos moradores de Wellington, que já protestaram nas ruas e expressaram sua rejeição ao projeto em diversas redes sociais. Na internet podem ser encontradas diversas brincadeiras contrárias à iniciativa, como a palavra Smellywood, uma fusão das palavras smell (cheiro) e Hollywood, além de uma paródia no "YouTube" do ditador Adolf Hitler condenando o letreiro.

A polêmica chegou às altas esferas do Governo neozelandês e até o primeiro-ministro, John Key, revelou que, embora respeite a decisão, não gosta do nome que será dado ao letreiro, e prefere que o mesmo seja batizado somente de Wellington. Em contrapartida, a porta-voz do aeroporto de Wellington, Kat Lintott, disse que entrou em contato com a Câmara de Hollywood e que, "na perspectiva neozelandesa", a entidade "tem o direito legal de levantar o letreiro".

Enquanto a direção do aeroporto se mostra contente com a repercussão mundial alcançada pela iniciativa, a vereadora de Wellington Helene Ritchie pediu que o processo seja revisto nos tribunais, pois os moradores não foram consultados. Em meio à polêmica, a companhia aérea Air New Zealand retirou uma oferta para promover voos de baixo custo entre Christchurch e Wellywood, com imagens de um grupo de "zangados" hobbits, os personagens do novo filme de Peter Jackson que está sendo rodado na cidade.

Outra estratégia é a da cervejaria Moa, que ofereceu cervejas gratuitas para aquele que destruir o letreiro assim que estiver pronto. Apesar do aparente apoio de Jackson ao letreiro, cujo orçamento é desconhecido, vários artistas expressaram sua rejeição, como o comediante local Raybon Kan, que brincou que a iniciativa o fará sentir-se um verdadeiro "Lord of the Cringe" ("Senhor do Constrangimento", em tradução livre).

    Leia tudo sobre: Peter Jackson

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG