Von Trier comenta comparação de filme com massacre na Noruega

Cineasta diz que se arrependeria se "Dogville" servisse de inspiração para o duplo atentado

EFE |

O cineasta Lars von Trier disse que se arrependeria de ter feito "Dogville" se for confirmado que seu filme serviu de inspiração ao autor confesso do duplo atentado na Noruega que matou 77 pessoas , admitiu o diretor ao jornal dinamarquês "Politiken", em reportagem publicada neste sábado.

Em vídeo exclusivo, Lars Von Trier fala de seu novo filme, "Melancolia"

"Sinto-me terrivelmente mal pensando que 'Dogville' possa ter sido usado por ele como uma espécie de roteiro. É uma ideia horrível", declarou o cineasta dinamarquês, que afirmou ver, sem dúvida, paralelismos entre o final de seu longa-metragem e o massacre perpetrado por Anders Behring Breivik na ilha de Utoeya.

Reuters
Lars Von Trier admitiu sentir-se mal caso se comprove a relação entre "Dogville" e o massacre na Noruega
Em seu perfil no Facebook, cujo acesso está atualmente bloqueado, o autor do duplo atentado citava o filme de Von Trier, de 2003, como o terceiro de seus filmes favoritos. A personagem principal de "Dogville", interpretada por Nicole Kidman, é torturada e estuprada pelos habitantes do povoado homônimo, até que faz com que todos eles sejam assassinados.

Tudo sobre o massacre ocorrido na Noruega

"A cena final de 'Dogville' lembra de forma muito desagradável Utoeya", admitiu o cineasta, em alusão ao tiroteio contra o acampamento da juventude social-democrata na ilha , que deixou 69 mortos pouco após o atentado com carro-bomba contra o distrito governamental de Oslo, que matou oito pessoas. Von Trier ressaltou que seus filmes tem um "objetivo pedagógico", que "vai em direção oposta às ações de Breivik".

O porta-voz do ultranacionalista Partido Popular dinamarquês, Soren Espersen, respondeu no mesmo jornal às críticas feitas pelo cineasta contra esse partido e seu líder, Pia Kjaersgaard, por sua retórica xenófoba e islamofóbica. "É interessante que isso venha de um homem que se declara nazista e que fez filmes perversos, carregados de violência, que segundo as declarações de Breivik serviram de inspiração para seus crimes", comentou.

Em maio, a organização do Festival de Cannes declarou "persona non grata" Von Trier após seus comentários de apoio a Adolf Hitler durante a entrevista coletiva de apresentação de seu filme "Melancolia" .

"Eu entendo Hitler, embora compreenda que fez coisas erradas. Só estou dizendo que entendo o homem, não é o que chamaríamos de um bom homem, mas simpatizo um pouco com ele", disse Von Trier, que posteriormente afirmou não ser antissemita.

Após declarar que Kjaersgaard deve assumir parte da responsabilidade do ocorrido na Noruega, o cineasta matizou em "Politiken" que não se pode culpar de forma direta, mas sim o Partido Popular Dinamarquês por ter contribuído para construir uma culpa que custou vidas, em alusão às vítimas da Noruega.

Em seu "manifesto" de 1,5 mil páginas, divulgado na internet horas antes dos atentados , Breivik, ultradireitista próximo aos fundamentalistas cristãos e islamofóbicos, elogia entre outras coisas a rígida política de estrangeiros dinamarquesa.

null

    Leia tudo sobre: Lars von Trier

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG