Um papo sobre Sex and the City 2

Quatro atrizes do filme falam sobre o filme, seus personagens, feminismo e Marrocos

iG São Paulo |

Divulgação
Kim Cattrall, Kristin Davis, Sarah Jessica Parker e Cynthia Nixon
Carrie, Samantha, Miranda e Charlotte estão de volta. As quatro personagens da série Sex and the City , que virou filme em 2008, retornam numa continuação que chegou aos cinemas brasileiros na última sexta. Dessa vez, as aventuras do quarteto incluem férias em Abu Dhabi - mas as filmagens na verdade aconteceram no MArrocos. Veja abaixo o que Sarah Jessica Parker (Carrie), Kim Cattrall (Samantha), Cynthia Nixon (Miranda) e Kristin Davis (Charlotte) têm a dizer sobre o filme, seus personagens e feminismo:

Vocês poderiam falar sobre seus personagens no filme?

Cynthia Nixon : Acho que para Miranda a questão é o que fazer quando você tem um ótimo emprego pelo qual trabalhou décadas para conseguir e que paga bem, e de repente você se sente péssima nele. Consigo entender isso no sentido que, à medida que você envelhece e entende quem você é, e acho que é isso que acontece com Miranda no filme, você aprende a se valorizar e aprende a dizer 'se alguém está me tratando mal, mesmo que seja do meu interesse manter minha boca calada, eu tenho que falar por mim, porque se eu sou uma advogada infeliz, talvez seja melhor não ser uma advogada'.

Sarah Jessica Parker : Como venho dizendo, houve uma cerimônia de casamento e agora há um casamento, e as duas coisas são bem diferentes. Quando o filme começa, Carrie, como é típico dela, começa a fazer perguntas a respeito da situação em que ela vive. A grande questão do filme para todas nós é tradição. Por que a aceitamos e por que a rejeitamos, e por que, já que queremos tanto nos comprometer com convenções como o casamento, continuamos questionando e fazendo perguntas? E como redefinos as tradições para nós mesmos e como nossos amigos redefinem? Será que eles querem isso?

Isso acontece com você?

Sarah Jessica Parker : Acho que mulheres de uma certa geração nem têm consciência que estamos no meio de um processo de redefinir nossos papeis o tempo todo. É o grande presente que nossas mães nos deram: a oportunidade de repensar nosso papel em situações bastante tradicionais, seja num relacionamento ou num trabalho. Nós fazemos isso o tempo todo, eu acho. Até as mulheres que ficam em casa com as crianças estão repensando essa situação. Acho que é um privilégio poder falar sobre esse assunto porque ele é importante para mim, sem fazer discursos.

Kim Cattrall : Menopausa, menopausa (risos).Não precisei fazer nenhuma pesquisa. Não preciso dizer mais nada.

Kristin Davis : Nossa, ela é sucinta. Para Charlotte, é a mesma coisa que Sarah disse a respeito de tradições. Charlotte sempre foi muito tradicional e sempre esperou muito de situações tradicionais. Mas às vezes as coisas não acontecem como ela espera, porque o que ela quer controlar na vida não pode possam ser controlado de verdade. Então ela tem que encarar sua própria incapacidade de ter a vida perfeita que ela quer criar, e até tem problemas para ser honesta consigo mesma a respeito do estresse que isso envolve. Uma das coisas que mais gosto no filme é que Miranda consegue ver através dessa fachada.

Para muitas mulheres, vocês são o retrato da mulher divertida e destemida. Vocês poderiam dizer as melhores coisas de serem divertidas e destemidas?

Kristin Davis : (risos) Não sei bem como responder. Nossos personagens são diferentes, mas muito, muito unidos. E não importa se nem sempre concordamos, às vezes os personagens discordam, como quando Charlotte julga Carrie. Adoro essa parte do filme porque acho que é o que fazemos na vida real. E então, felizmente, ela tem tempo e conversa suficientes para perceber que não é justo que ela julgue e imponha suas noções pré-concebidas a sua amiga. Adoro o fato que criamos mulheres poderosas que podem ser poderosas do seu jeito e ainda continuarem unidas.

Kim Cattrall : Acho que a coisa mais importante para mim foi encorajar muitas mulheres a mudar o jeito que elas se sentem sobre serem solteiras, sobre terem câncer, todas aquelas histórias sobre se casar e ser abandonada, estar sozinha, estar solitária. Acho que chamamos a atenção delas e as encorajamos a mudar. Acho que isso é algo muito importante nessa era de pós-feminismo. Acho que nós as ajudamos a descobrir o que é ser bem-sucedida, inteligente, e também feminina.

Sarah Jessic Parker : Vivemos num mundo, que felizmente está mudando, em que muitas mulheres são muito grossas com as outras e as chamam de nomes horríveis. O que realmente gosto nas personagens é o quanto elas se amam e se respeitam. Seu DNA é radicalmente diferente, mas elas são amigas. Isso mudou o jeito que eu encaro minhas amizades, como eu respondo às escolhas de minhas amigas. Aí eu ligo a TV e vejo como as mulheres se tratam. É horrível. Por isso, gosto de saber que há um lugar que mostra que as mulheres podem ser aliadas, não adversárias.

Cynthia Nixon : Há um momento em que Charlotte e Miranda têm uma briga por causa da decisão de Charlotte de parar de trabalhar e focar em ter um filho. Miranda fica muito desapontada, e Charlotte diz: 'Não era essa preocupação do movimento feminista? O importante não é trabalhar ou ficar em casa. O importante é poder escolher'. Como Sarah disse, elas quatro mulheres são diferentes, com pontos de vista diferentes e escolhas de vida diferentes, mas elas se amam e não têm vergonha de dar suas opiniões e seus conselhos.

Como foi filmar no Marrocos?

Kim Cattrall : Todas as refeições foram em tendas. O Dia de Ação de Graças foi numa tenda.

Sarah Jessica Parker : Deu trabalho, mas foi uma das grandes experiências da minha vida profissional: viver e trabalhar com essa equipe todo dia; ver o sol nascer e se por nas locações; deitar numa cama o dia inteiro com essas mulheres, exausta e rindo; estar num camelo com Kim Cattrall...

Kim Cattrall : Poucas pessoas podem dizer que fizeram isso.

Quais são suas melhores lembranças de lá?

Kim Cattrall : Nós famos muito bem recebidas pelas pessoas do Marrocos, nos sentimos muito protegidas. Nos sentimos como se fôssemos parte da família real. Não conseguia acreditar que as pessoas realmente assistissem à série. Foi surpreendente. Eles conheciam os personagens e nos chamavam pelos nomes deles (risos). E nós respondíamos. E também tínhamos os finais de semana livres, então foi quase como umas férias. Nas maiorias das filmagens isso não acontece, você normalmente trabalha aos sábados. É um país extraordinário, não é?

O que um homem aprenderia se fosse assistir ao filme com sua namorada?

Sarah Jessica Parker : Talvez ele aprenda que não há problema em...

Kim Cattrall : Em gastar muito dinheiro com uma garota!

    Leia tudo sobre: Sex and the City 2

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG