"Turnê" explora universo do burlesco

Premiado em Cannes, longa francês mergulha nos bastidores e personagens

Marco Tomazzoni, iG São Paulo |

Divulgação
Mimi Le Meaux em "Turnê", de Mathieu Amalric: desafio e sensualidade
Pouco conhecido no Brasil, o neoburlesco faz considerável sucesso na noite da Europa e dos Estados Unidos, onde surgiu na década de 1990. Inserido no mundo pop graças a Ditta Von Teese , ex-senhora Marilyn Manson, o estilo é bem mais complexo do que uma simples dança exótica – combina humor, habilidade, sátira e sensualidade, numa rica paleta de tons e nuances, exageradas ou não. A estreia no Rio de Janeiro e São Paulo de "Turnê", produção francesa premiada em Cannes, ajuda a desmistificar o movimento, sem resvalar para o didatismo. A ideia, aqui, é enveredar pelos bastidores do showbiz e encontrar os dramas de uma trupe viajando pela França, explorando personagens.

A turnê – daí o título – tem o comando do produtor Joachim Zand, vivido pelo ator e diretor Mathieu Amalric. Conhecido como o vilão de "007 - Quantum of Solace" e por seu papel imóvel no arrebatador "O Escafandro e a Borboleta", Almaric já tem três longas-metragens como cineasta nas costas e acumula funções em "Turnê" sem a menor dificuldade. Seu personagem é um antigo executivo da televisão francesa que havia tentado a sorte na América do Norte e viu no burlesco a oportunidade de se reerguer e voltar para casa com um sucesso engatilhado. Sem saber conciliar muito bem trabalho e vida pessoal, ele se mostra meio caricato, com seu bigode anos setenta e ternos vinho, tentando marcar teatros, achar um rumo na vida e domar garotas que não nasceram para isso.

O elenco principal é todo formado por expoentes do novo burlesco nos EUA, que participam com seus nomes artísticos reais, todos bastante sugestivos, como Mimi Le Meaux, Kitten on the Keys, Dirty Martini, Evie Lovelle e Roky Roulette, o único homem do grupo. Apesar da pouca roupa e da coreografia insinuante, não é só isso que chama a atenção. Por trás de adereços colados nos mamilos e do visual drag-queen – perucas, maquiagem pesada e brilho, muito brilho –, há conteúdo elaborado e postura feminista. "Nos expressamos como mulheres, para mulheres. Os homens não interferem", garante Dirty Martini. "Entretemos as massas, assim como a Virgem Maria."

Filmados do ponto de vista da coxia ou no meio da plateia, os shows surgem esplendorosos, remetendo ao encanto do cabaré, circo e vaudeville, com cutucadas críticas – lá pelas tantas, uma dançarina com biquini nas cores da bandeira americana dança ao som de um hino à "terra da liberdade", enquanto mastiga notas de dólar.

Apesar das cores fartas, o tom é de elegância e, mais ainda, beleza. A fotografia de Christophe Beaucarne ("Fora da Lei", "Coco Antes de Chanel") e os enquadramentos de Amalric acham quadros prontos para serem emoldurados, mesmo com a exibição digital. Coisa rara palcos, lustres, cadeias de hotéis e cílios – isso mesmo, cílios – ficarem tão bem na tela.

Mas é na ausência de glamour que "Turnê" também cresce. Demora um pouco para o filme achar seus protagonistas, mas, quando o faz, tenta expor o indivíduo por trás da estrela, daqueles personagens que encantam o público e, no fundo, sofrem com a solidão. Mesmo esboçada, há uma reflexão sobre a vida longe de casa e uma certa postura existencialista, da busca pela felicidade. Tudo só pincelado, porém mais genuíno do que, por exemplo, "Um Lugar Qualquer" , de Sofia Coppola.

O mérito da direção de Almaric, eleita como a melhor de Cannes no ano passado, reside sobretudo na constituição do grupo na estrada. A câmera tem uma postura quase documental e a ficção parece sumir eventualmente para dar lugar à intimidade dos bastidores, que instiga e cativa. As dançarinas se despem das roupas e, consequentemente, de seus papéis para mostrar uma família de verdade, convincente. No fim, é quase um cinema de ator, pelo viés de não-profissionais. Além de intérprete talentoso, Almaric prova ser um diretor em ascenção.

null

    Leia tudo sobre: turnêburlescomathieu amalriccinema francêscannes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG