"Tropa de Elite 2" é o melhor investimento do ano

Sucesso do filme, que bateu os 10 milhões de espectadores, garante retorno superior ao do ouro e de ações da Bolsa de Valores

Guss de Lucca, iG São Paulo |

Divulgação
André Ramiro e Wagner Moura em cena de "Tropa de Elite 2": filme é o melhor investimento de 2010
Se "Tropa de Elite 2" fez bem para a alma de muitos, que de acordo com relatos o aplaudiram durante e após sua exibição, o longa-metragem de José Padilha também foi benéfico para o bolso de seus investidores, que ajudaram a viabilizar uma produção recordista - o filme bateu neste fim de semana os 10 milhões de espectadores, encostando na marca de 10 milhões e 700 mil do campeão de todos os tempos “Dona Flor e Seus Dois Maridos”, de 1976.

Em entrevista ao iG , James D´Arcy, produtor executivo do filme, disse que sete investidores (pessoas físicas) colocaram dinheiro em “Tropa de Elite 2” e, de acordo com ele, essas pessoas terão lucro de 200% - um valor maior do que rendimentos obtidos com a Bolsa de Valores de São Paulo ou com o ouro.

O orçamento de "Tropa de Elite 2", que inclui o custo de produção e de comercialização do filme, foi de R$ 14.5 milhões - metade financiada com incentivo fiscal e metade com investimento privado. Ele teve início há um ano, com o começo da captação de recursos, e termina em janeiro de 2011, momento da distribuição dos resultados.

"Ao contrário do que podem pensar, a forma de distribuição de lucros não é imediata. Fechamos o período contábil, fazemos os balancetes e aí acontece a distribuição dos dividendos - o que só vai ocorrer em 8 de janeiro, quando o filme completar três meses de exibição. Apesar de não ter os números apurados, temos certeza de que será um retorno de pelo menos 200% para cada investidor", explicou D´Arcy.

Por razões de contrato que implicam em confidencialidade, o produtor não pode citar nomes dos investidores, mas ele disse que são sete e não estão creditados no filme. "Não são empresas, mas pessoas físicas que consideramos como co-produtores", contou.

"É fato que 'Tropa de Elite 2' virou um case do cinema nacional, mas é bom deixar claro que cinema ainda é um risco: tem filmes com maior e menor potencial de retorno. Como 'Tropa' já era uma franquia estabelecida, o risco era menor", analisou.

Divulgação
O diretor José Padilha e o produtor Marcos Prado: sucesso do trabalho resultou em lucro de 200%
Com uma rentabilidade de pelo menos 200% do capital aplicado no filme, o investimento em “Tropa 2” foi o campeão do ano no país. O ganho na Bolsa de Valores de São Paulo, medido pela variação do Ibovespa, foi de 3,4% de janeiro até sexta-feira, dia 19 de novembro.

Além disso, poucas ações - como é o caso das Lojas Marisa, Marcopolo e a Hering - tiveram uma valorização que ultrapassa 100% neste ano. "Tropa de Elite 2" bateu até o ouro, o melhor investimento financeiro até agora, que já subiu cerca de 25%. No mesmo período, o dólar teve uma rentabilidade negativa de 1,5%.

"Vamos torcer para que esse tipo de experiência ocorra mais no Brasil, para assim reduzir a necessidade do uso de incentivo fiscal no cinema", encerrou D’Arcy, que comentou sobre a possível carreira do longa no exterior, o que viria a aumentar o lucro de seus investidores, pois toda a receita que o filme fizer em sua carreira comercial entra no balanço de dividendos.

"Alguns territórios estão em fase de negociação, e a ideia é a de que o filme seja lançado lá fora no primeiro semestre de 2011. Mas antes estamos montando sua apresentação em festivais, pois isso pode influenciar no valor e na recepção do filme em alguns países. Nos Estados Unidos, por exemplo, o primeiro 'Tropa de Elite' tinha um preço de negociação antes do Festival de Berlim - depois que ganhou o prêmio, esse preço mudou".

* com André Vieira, do iG Economia

    Leia tudo sobre: Tropa de Elite 2

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG