Thatcher, de Meryl Streep, chega aos cinemas envolvido em polêmica

Cinebiografia da ex-primeira-ministra britânica divide opiniões no Reino Unido

EFE |

Divulgação
Meryl Streep como Margaret Thatcher
Margaret Thatcher foi admirada e igualmente odiada pelos britânicos, e o filme sobre sua vida, protagonizado por Meryl Streep, não deixou indiferente a crítica e nem os amigos da ex-primeira-ministra do Reino Unido, que consideraram o longa-metragem um insulto.

Enquanto a imagem da carismática governante de 86 anos, retirada da vida pública devido ao seu delicado estado de saúde, circula em todas as partes com os cartazes do filme "A Dama de Ferro", seus admiradores e opositores voltaram a abrir um debate para discutir seu legado.

A crítica é unânime em reconhecer o impressionante trabalho da atriz Meryl Street no papel de Thatcher ao longo de sua vida adulta, mas alguns de seus próximos preferiram que o filme se distanciasse do que consideram uma caricatura.

O filme, que estreará somente no dia 6 de janeiro no Reino Unido, retrata uma Thatcher idosa, solitária e afetada pela demência, enquanto tenta se lembrar de alguns episódios de sua complexa vida.

Amigos e familiares da implacável governante, que controlou com mão firme o Reino Unido de 1979 a 1990, qualificaram o drama dirigido por Phyllida Lloyd, a mesma do longa "Mamma Mia", como uma "fantasia esquerdista".

Segundo revelações do jornal "Daily Telegraph", alguns de seus antigos colegas e companheiros de Gabinete quiseram se distanciar do filme, já que esse resgata alguns polêmicos episódios, como a Guerra das Malvinas, que Thatcher comandou com firmeza.

Lorde Bell, um assessor próximo da Dama de Ferro nos anos 1980, disse que não pensa em divulgar esse "lixo". "Seu único objetivo é fazer Meryl Streep ganhar dinheiro. Não fará nenhuma diferença no lugar que Margaret Thatcher ocupa na história e no que ela conseguiu", questionou o antigo assessor.

Getty Images
Meryl Streep promove "Thatcher" em Londres
No entanto, para o jornalista Matthew Parris, ex-deputado conservador e colaborador de Thatcher, trata-se de uma história feminista. "É sobre os preconceitos dos homens e a visão das mulheres. Fazia tudo pelo Reino Unido, mas também fazia pelas mulheres", diz ele ao jornal "The Times".

Imagens de arquivo também são usadas na obra, que mostra os grandes protestos contra o imposto conhecido como "poll tax" e como um dos manifestantes se aproxima da limusine da então primeira-ministra para chamá-la de "monstro".

A era Thatcher foi um tempo de mudanças econômicas e sociais que transformou o Reino Unido para sempre e que não deixa ninguém indiferente, assim como o filme, que dificilmente iria agradar a todos.

O jornal conservador "Daily Telegraph" assegura em sua crítica que o filme "é equilibrado, duro e compreensivo como a protagonista". "Como as pessoas vão reagir depende da imagem que possuem dela. Seria amável demais para os sindicatos, mas os republicanos americanos terão inveja de não ter um candidato com uma fração da convicção de Thatcher", ironiza o crítico.

Neste sentido, o progressista jornal "The Guardian" opina que o filme mostra "pouca consciência do mundo exterior, o custo humano e o efeito de suas discutidas políticas governamentais" e, por isso, o qualificam como uma espécie de "Thatcher sem o thatcherismo".

O que é uma unanimidade entre os críticos é a interpretação de Meryl Streep, que apesar de não ser britânica, conseguiu personalizar a Dama de Ferro e, inclusive, imitar seu peculiar tom de voz. "O sorriso, a entonação, as posturas. Ela consegue encontrar a mulher em uma figura caricata", destaca o "The Times" em relação à atriz, que "fez tudo muito bem".

    Leia tudo sobre: Meryl StreepMargareth Thatchercinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG