Eclipse, meninas de hoje são "muito sexualizadas"" / Eclipse, meninas de hoje são "muito sexualizadas"" /

Sucesso da saga Crepúsculo está nos valores, afirma cineasta

Para David Slade, diretor de Eclipse, meninas de hoje são "muito sexualizadas"

EFE |

O diretor de Eclipse , terceira parte da saga Crepúsculo , David Slade, acredita que a saga "engatou" porque transmite "valores" perdidos. Eclipse marca o retorno ao cinema do mundo sobrenatural criado pela jovem escritora Stephenie Meyer onde convivem humanos, vampiros e lobisomens. "O mundo hoje se movimenta em outra direção, já não há modelos como Che Guevara. Os perdemos", disse Slade em entrevista à Agência EFE. Ele acredita que os protagonistas de Eclipse , o vampiro Edward e o lobisomem Jake, "são metáforas da pureza e da humanidade".

Getty Images
Diretor de Eclipse, David Slade (esq) brinca com integrante do elenco em pre-estreia na Espanha
O cineasta britânico, autor de filmes como MeninaMá.Com (2005) e 30 Dias de Noite (2007), visitou a Espanha para promover seu novo filme, acompanhado pelos atores Xabier Samuel, que interpreta um novo vampiro, Riley, e Ashley Green, a enigmática vampira clarividente Alice Cullen. "Não sou um adolescente para adivinhar porque a saga fascina os jovens, mas acho que é porque o filme se dirige a eles. Gente que está em um momento para o qual ninguém dá bola e também porque transmite valores a seguir", avaliou o diretor.

A terceira parte da saga, mais sombria e com muito mais ação que os dois filmes anteriores – Crepúsculo (2008) e Lua Nova (2009) –, oferece, segundo Slade, novas facetas do trio formado pela humana Bela Swan (Kristen Stewart), o vampiro Edward Cullen (Robert Pattinson) e o lobisomen Jacob Black (Taylor Lautner). "A relação entre Edward e Bela é regida por um modelo vitoriano, não é coisa minha. Trato de explicar no filme que o rapaz é muito romântico, mas não quer manter relações com ela, e me parece muito bom transmitir essa ideia de pureza hoje em dia, porque a mulher, as meninas, estão muito sexualizadas".

"Acho bom esse ritmo natural: é saudável ter um relacionamento que não te obrigue a ter relações sexuais em seguida", argumentou o diretor, que resiste a revelar com quem de seus dois pretendentes Bela acabará se casando. "Isso depende do gosto: um é duro e frio e o outro muito quente. É uma escolha difícil", brincou Slade em entrevista coletiva.

Em Eclipse , os lobisomens e os temíveis vampiros devem trabalhar juntos contra um inimigo que espreita; desta vez, é a vingança que movimenta a trama. Fica aberto o caminho para Amanhecer , o final da saga literária Crepúsculo , que se transformará em dois novos filmes.

    Leia tudo sobre: EclipseCrepúsculovampiroscinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG