"Shark Night 3D" aposta em menos sangue para conquistar público

Filme estreia nesta sexta (2) na América do Norte e quer atrair jovens e fãs de "Tubarão" (75)

iG São Paulo com agências |

Desafiando a marca indelével para uma geração de cinéfilos e banhistas traumatizados por "Tubarão" (1975), estreia nesta sexta-feira (2) na América do Norte "Shark Night 3D", um filme de horror para um público que até hoje tenta esquecer o longa-metragem de Steven Spielberg. A direção é de David R. Ellis, que comandou a segunda e quarta partes da série "Premonição".

Divulgação
Shark Night 3D
O ex-dublê que se tornou diretor também já trabalhou em uma produção sobre tubarões sanguinários, "Do Fundo do Mar", de 1999. "'Tubarão' é um clássico. Acredito que nenhum filme pode se comparar a ele e esta não é nossa intenção", afirmou. "É um filme com jovens e tubarões, mas não é a mesma história. 'Tubarão' girava em torno da perseguição e da captura de um grande tubarão branco", explicou.

Siga o iG Cultura no Twitter

"Shark Night 3D", por sua vez, pode ser encarado como um filme de sobrevivência. A história se passa numa ilha na Lousiana, situada em um lago de água salgada e rodeada por vários tubarões sedentos de sangue. O fim de semana de uma turma de jovens amigos se transforma em pesadelo quando o braço de um deles é amputado na água. No início, eles acreditam que o acidente foi causado por uma embarcação, mas pouco depois descobrem que a ilha está infestada por centenas de tubarões famintos, de 4 metros de comprimento e pesando 350 quilos.

O elenco é formado por um grupo de jovens atores liderado por Sara Paxton ("Last House on the Left"), Dustin Milligan (da série "90210"), Chris Carmack (da série "The O.C."), Joel David Moore ("Avatar"), Chris Zylka ("Homem-Aranha") e Katharine McPhee ("A Casa das Coelhinhas").

Divulgação
Sara Paxton em "Shark Night 3D"
A diferença do filme está, talvez, em seu objetivo e classificação indicativa. Nos Estados Unidos, "Shark 3D" é um filme PG13, ou seja, não recomendado mas não proibido a menores de 13 anos. Isto o distingue de "Premonição", "Jogos Mortais" e "Pânico", proibidos nos Estados Unidos para menores de 17 anos não acompanhados de um adulto, já que não economizam nas cenas com sangue.

"Decidimos fazer um filme PG13 desde o princípio porque queríamos alcançar um público amplo", disse Ellis. "Isto nos obrigou a não incluir cenas muito explícitas. Talvez decepcione os fãs de cenas deliberadamente sangrentas, que preferem ver cabeças cortadas e este tipo de coisa, mas não era o objetivo do filme". A opção por um filme que, de certo modo, é voltado para todo o público mostra, segundo o diretor, que "buscamos chegar aos jovens. A maioria deles jamais viu 'Tubarão', o que nos ajudará um pouco".

Outra grande diferença em relação ao cult criado por Steven Spielberg é que os tubarões de "Shark Night 3D" são em sua maioria criaturas elaboradas por computadores. A equipe não quis reviver o pesadelo das filmagens de "Tubarão", que entraram para a história do cinema quando, entre problemas de orçamento e ameaças de greve dos atores, os três tubarões mecânicos sofriam avarias constantes.

null"Temos seis espécies distintas de tubarões no filme. Quase 40% são tubarões animatronics [a partir de modelos teleguiados], destinados às cenas de luta com os atores, e os 60% restantes são criados por computador", revelou o diretor. Os animais foram criados por Walt Conti, da companhia Edge Innovations. "Os tubarões se comportam como máquinas incríveis na vida real", explicou Conti. "No geral nadam lentos, mas quando atacam têm muita energia. Tivemos que capturar essas diferenças para que fosse crível", apontou.

O filme, que não foi exibido à imprensa por decisão do estúdio – algo que habitualmente é feito para reservar uma possível surpresa ou por temor às críticas –, foi rodado totalmente em 3D, o que elevou o orçamento e as dificuldades para uma filmagem em água.

"Há mais considerações técnicas a se levar em conta em uma filmagem em 3D do que em um filme que é filmado em 2D e depois convertido", disse o diretor. "Rodar em 3D e na água acrescenta ainda mais desafios. O positivo neste caso é que o público terá tubarões ao alcance das mãos. É uma sensação fenomenal", acrescentou.

*com AFP e EFE

    Leia tudo sobre: shark nighttubarãocinemahollywood3d

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG