Roteirista diz que Mel Gibson odeia judeus

Após ter seu roteiro engavetado, Joe Eszterhas acusa o ator de antissemitismo e de dizer que John Lennon mereceu morrer

EFE |

Joe Eszterhas, o roteirista do filme "The Maccabees", acusa em carta o ator Mel Gibson de "odiar os judeus" e de supostamente opinar que John Lennon "mereceu a morte", informou nesta quinta-feira (12) o site "The Wrap".

Siga o iG Cultura no Twitter

O portal de notícias sobre entretenimento revelou a carta e deu mais detalhes do conflito entre o roteirista e o ator, que começou depois que a Warner Bros decidiu engavetar o projeto do filme, que relata a vida de Judas Macabeu, o guerreiro judeu que liderou uma revolta contra os exércitos gregos e sírios no século 2 antes de Cristo.

"Dediquei dois anos da minha vida a pesquisar e escrever esse roteiro, e estou profundamente decepcionado que não tenha tido a decência de responder", disse Eszterhas na carta de nove páginas que enviou ao protagonista de "Coração Valente" (1994). O roteirista o acusa também de "jamais ter tido a intenção de fazer o filme sobre os macabeus" e de ter anunciado que o faria para tirar a atenção sobre seus problemas pessoais.

Responsável pelas tramas de sucessos como "Instinto Selvagem" (1992) e "Showgirls" (1995), o roteirista afirma também que Gibson lhe disse em uma ocasião que John Lennon merecia morrer. "Fico feliz que esteja morto. Ele merecia. Era um maldito messiânico", teria dito o ator sobre o beatle.

Eszterhas critica Gibson por falar dos judeus em termos depreciativos, e lembra que em uma ocasião o ator disse que "o Holocausto é um monte de sandices", que chegou a dizer que o papa João Paulo II "era o anticristo" e "o diabo", e responsabilizou pela morte de seu antecessor no Vaticano, João Paulo I, "uma conspiração de judeus liberais".

Leia também: Mel Gibson e outros artistas execrados pelo show business

Segundo o jornal "New York Daily News", Gibson respondeu também por carta às acusações de Eszterhas. Nela, admitiu que "reagiu mais do que devia" durante um briga entre ambos, mas que "rapidamente enviou um pedido de desculpas por escrito". O ator afirmou ainda, segundo o jornal, que o filme foi descartado porque o roteiro era ruim, e não por antissemitismo.

A participação de Gibson nesse filme havia despertado, no ano passado, várias críticas por parte de alguns membros da comunidade judaica americana. Em 2006, o ator culpou os judeus por "todas as guerras do mundo" quando foi preso por dirigir alcoolizado, e dois anos antes foi acusado de retratar uma péssima imagem dos judeus em seu filme "A Paixão de Cristo" (2004).

    Leia tudo sobre: Joe Eszterhasmel gibsoncinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG