O louco diz muitas verdades significativas , diz Patrice Chéreau - Cinema - iG" /

O louco diz muitas verdades significativas , diz Patrice Chéreau

VENEZA - O cineasta Patrice Chéreau, assim como Werner Herzog em seus dois filmes em competição no Festival de Veneza, aborda os limites da loucura e da obsessão em seu ¿Persécution¿, exibido na manhã deste sábado para os jornalistas. Daniel (Romain Duris) em tese tem tudo ¿ namorada, amigos, trabalho quando quer ¿, mas luta com suas dificuldades de amar, enquanto é amado por um personagem identificado apenas como Lunático (Jean-Hugues Anglade).

Mariane Morisawa, enviada especial a Veneza |

Getty Images
Atores Jean Hugues Anglade e Romain Duris e, ao centro, o diretor Patrice Chereau

Ele não tem nome porque não precisa de nome. Sua insanidade é imediatamente visível, ao contrário da insanidade de muitos, disse o diretor na coletiva de imprensa, no início da tarde do sábado. O louco diz muitas verdades significativas.

Já o protagonista, Daniel, mantém relacionamento complicado com a namorada Sonia (Charlotte Gainsbourg) e com os amigos. Daniel é doente porque exige evidências de amor, apesar de ter evidências óbvias, afirmou Chéreau. Para ele, Daniel é uma pessoa normal em sua insanidade, sua preferência pela dor, sua necessidade de dor. Ele é como nós e como eu, sob tantos pontos de vista.

Persécution é um filme de personagem. O roteiro (de Chéreau e Anne-Louise Trividic) e o diretor vão fundo na construção dessas pessoas, que parecem mesmo gente que qualquer um poderia conhecer. E, por isso mesmo, é também um filme de atores. O trio principal ¿ Romain Duris, Charlotte Gainsbourg (que deu um alô na coletiva da Austrália, onde filma, via telefone) e Jean-Hugues Anglade ¿ está muito bem. Eu pensei no Daniel como alguém em construção, alguém que tenta fincar seus pés para lutar, para superar toda sua tristeza e sobreviver. Ele tem necessidade de contato humano, de ser amado, tudo isso alimentou o animal que existe em mim. Eu amo esse personagem e espero que possa ter mais personagens desse tipo, afirmou Romain Duris.

Anglade contou que desenvolveu até um passado para seu louco, que aparece do nada. Fiquei intrigado por ele, tentei entender o filme em sua globalidade, ele é cheio de detalhes. A vida de cada um é feita de pequenos detalhes. Essa é a paisagem da vida. É um personagem completo, disse.

    Leia tudo sobre: cinemafestival de veneza

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG