Quero dar ênfase ao clichê", diz diretor de "Amizade Colorida

Comêdia romântica com Justin Timberlake e Mila Kunis segue onda que busca adicionar "subversão" ao gênero

iG São Paulo com AFP |

Divulgação
Justin Timberlake e Mila Kunis, o casal em busca de sexo sem compromisso em "Amizade Colorida"
A fantasia de manter relações sexuais sem compromisso volta às telas dos Estados Unidos no filme "Amizade Colorida" ("Friends with Benefits"), em que Justin Timberlake e Mila Kunis apelam ao clichê do sexo entre amigos, numa tentativa de "rejuvenescer a comédia romântica".

"Amizade Colorida" segue a onda das comédias românticas classificadas como "R" nos Estados Unidos – proibidas para menores de 17 anos, sem acompanhamento de um adulto – na busca pôr um pouco de "subversão" num gênero que há muito tempo é criticado por apresentar um irreal mundo cor-de-rosa.

O filme, que estreia nesta sexta-feira nos Estados Unidos e Canadá, conta como dois jovens que acabam de se separar decidem iniciar uma relação puramente sexual, sem os incômodos dos sentimentos, até que, finalmente, o amor bate à porta. Este já era o tema do recente "Sexo Sem Compromisso" , protagonizada por Natalie Portman e Ashton Kutcher.

"Eu acho que muitas coisas estão sendo testadas neste momento, porque todo mundo sabe que as comédias românticas são vistas como um clichê. Todos querem que elas tomem uma direção diferente", disse o diretor Will Gluck, durante a apresentação de "Amizade Colorida à imprensa num hotel em Santa Monica, oeste de Los Angeles).

Longe de evitar os clichês, Gluck prefere trabalhá-los melhor. "Acho que a vida é um clichê. Todo mundo tem um marido ou uma esposa, todo mundo se casa, todo mundo se separa... Tudo é um clichê, mas eu gosto de observar este aspecto da vida", afirmou. "Este filme não é nenhuma revolução às regras. Isto não é 'A Origem' [último filme de Christopher Nolan]. Nunca tive medo do clichê, pelo contrário, quero dar ênfase nele."

Com o risco de se tornar um permanente ping-pong verbal, o filme se concentra também na plasticidade de seus protagonistas, embora pessoalmente, nem Timberlake nem Kunis afirmam acreditar nas relações puramente sexuais, apesar de sempre terem existido.

null"Não creio que essa seja uma experiência que possa durar um longo período", disse Timberlake, cantor que se tornou ator e lotou as salas de cinema em 2010 com "A Rede Social" . "É uma dinâmica interessante ter os dois personagens que não estão conectados emocionalmente, ou pelo menos pensam não estarem."

Mila Kunis, por sua vez, considera que o conceito do "sexo entre amigos" é tão antigo como o mundo. "Só que hoje muita gente está mais disposta a fazer, já não é um tabu. Acho que a nossa geração é mais aberta, honesta e que as mulheres controlam muito mais sua sexualidade que há 30, 40 ou 50 anos", opinou a atriz, conhecida pelo papel de bailarina amiga de Natalie Portman em "Cisne Negro" .

O elenco conta ainda com Patricia Clarkson e Richard Jenkins – duas importantes figuras do cinema independente americano –, Jenna Elfman e Woody Harrelson. A estreia no Brasil está prevista para 23 de setembro.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG