Os Vampiros Que Se Mordam" faz sátira fraca de "Crepúsculo

Comédia parece mais longa e cansativa do que uma maratona da série original

Reuters |

Divulgação
A jovem Becca (Jenn Proske) e o misterioso Edward (Matt Lanter) em cena de "Os Vampiros Que Se Mordam"
Os vampiros que se cuidem! Atualmente, são as criaturas mais superexpostas da mídia, com filmes, séries de televisão, enxurrada de livros (novos e antigos) e afins. A comédia "Os Vampiros Que Se Mordam" chega para aumentar a lista - sem trazer nada de novo, engraçado ou que justifique sua existência.

Estreando em circuito nacional, o filme é uma sátira da série "Crepúsculo", escrita e dirigida por Jason Friedberg e Aaron Seltzer, que já tentaram satirizar comédias românticas ("Uma Comédia Nada Romântica"), épicos ("Espartalhões") e filmes de desastre ("Super-Heróis - A Liga da Injustiça") sem sucesso.

Ignorando que a ideia das criaturas vampirescas é mais antiga do que "Crepúsculo", "Os Vampiros Que Se Mordam" concentra-se no primeiro e segundo filmes da série, refazendo muitas das cenas e da trama de forma exagerada.

A jovem Becca (Jenn Proske) muda-se para uma pequena cidade para morar com o pai, um xerife local (Diedrich Bader). Na escola tem poucos amigos, mas acaba conhecendo e se apaixonando pelo pálido e estranho Edward Sullen (Matt Lanter).

Divulgação
Vampiros confundidos com o grupo Black Eyed Peas: uma das referências pop da fraca comédia pastelão
A propensão que Bella, personagem do filme original, tem para se martirizar é potencializada aqui - e algo que, por natureza, seria engraçado, não consegue gerar qualquer fagulha de humor. A culpa disso é, em boa parte, por conta da falta de tato da dupla Friedberg e Seltzer - para quem espancar um cadeirante por minutos a fio deve parecer engraçado. Para eles, também é divertido quando Becca solta gases na cara de Edward, ou Jacob (Chris Riggi), o menino-lobisomem, urina numa árvore.

A mocinha, por sua vez, sofre por não conseguir perder a virgindade. Afinal um dos pretendentes prometeu ser celibatário e o outro prefere perseguir gatos. É a vida! Ou melhor, é a vida dos mortos, à qual Becca tem que se acostumar caso queira se casar com Edward.

Com menos de uma hora e meia, "Os Vampiros Que Se Mordam" parece mais longo e cansativo do que uma maratona da série "Crepúsculo". Com um acúmulo de referências pop - Lady Gaga, Lindsay Lohan, "Gossip Girl", "Buffy", "Alice no País das Maravilhas"-, o enredo revela-se incapaz de produzir algo realmente engraçado. Por outro lado, a estreante Jenn Proske faz uma imitação quase perfeita da verdadeira Bella, Kristen Stewart - pena que isso aconteça num filme tão pouco inspirado.

 Assista abaixo ao trailer de "Os Vampiros Que Se Mordam":

    Leia tudo sobre: Os Vampiros Que Se Mordam

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG