Os dilemas das adaptações da DC Comics

Como a decepção de "Lanterna Verde" nos cinemas atrapalha os planos da editora de HQs

iG São Paulo |

Desde 1978, com o lançamento do primeiro longa-metragem do Super-Homem dirigido por Richard Donner, a DC Comics reinou por duas décadas no mercado de adaptações cinematográficas de heróis das histórias em quadrinhos.

Divulgação
Ryan Reynolds em "Lanterna Verde": críticas e bilheteria abaixo do esperado prejudicaram a adaptação
Além da franquia do Homem de Aço, a editora, que faz parte do grupo Warner Bros, obteve sucesso nos anos 1990 com os filmes de Batman, que apesar da troca de protagonista e súbita queda de bilheterias, nunca deixaram de render lucros a empresa.

Conheça o site de Quadrinhos do iG

Nesse mesmo período sua principal rival nas bancas, a Marvel Comics, sofria com a falta de investimentos em suas criações, vendendo os direitos de adaptação de seus personagens para estúdios que não zelavam pela qualidade de seus filmes, caso dos péssimos "O Justiceiro" (1989), "Capitão América" (1990) e "Quarteto Fantástico" (1994).

A grande virada começou em 2000 com a estreia de "X-Men: O Filme", da 20th Century Fox. O longa-metragem, dirigido por Bryan Singer, transformou US$ 75 milhões (R$ 119 mi) em US$ 290 milhões (R$ 462 mi), além de receber boas críticas dos fãs de quadrinhos dos heróis mutantes.

Dois anos mais tarde, em 2002, a Columbia Pictures lançava "Homem-Aranha", aventura estrelada por Tobey Maguire e dirigida por Sam Raimi. O filme, que contava a origem do jovem herói, atingiu a impressionante bilheteria de US$ 820 milhões (R$ 1,3 bilhões), sendo o primeiro longa-metragem a ultrapassar a marca de US$ 100 milhões (R$ 159 mi) em uma semana.

Siga o iG Cultura no Twitter

A partir daí os personagens da Marvel tornaram-se coqueluche nos cinemas, o que permitiu à editora começar a bancar suas próprias adaptações, utilizando os heróis que ainda não haviam sido negociados com estúdios cinematográficos - caso dos "X-Men" e "Quarteto Fantástico", que estão na Fox, e "Homem-Aranha" e "Motoqueiro Fantasma", que pertencem a Columbia.

O primeiro longa-metragem da Marvel Studios foi "Homem de Ferro", sucesso estrelado por Robert Downey Jr em 2008, que permitiu que a editora desse segmento aos filmes que, em 2012, reunirão seus principais personagens, como Thor e Capitão América , no coletivo "Os Vingadores".

Já a DC Comics acabou seguindo o caminho contrário. Após o sucesso nas décadas passadas a editora, em conjunto com os estúdios da Warner Bros, amargou o fracasso de "Mulher-Gato" em 2004 e abandonou a sequência de "Superman - O Retorno", de 2006, após receber duras críticas da mídia e dos fãs.

A exceção foi a franquia do herói Batman, que conseguiu dar novos ares ao herói nos cinemas com "Batman Begins" (2005) e "Batman: O Cavaleiro das Trevas" (2008), um dos poucos filmes que conseguiu bater a marca do US$ 1 bilhão .

A esperança da editora era conseguir fazer com que o recém-lançado "Lanterna Verde" se tornasse o que o Homem de Ferro foi para a Marvel. Porém, diversos fatores colaboraram para que a adaptação não caísse nas graças dos fãs, como a complexa mitologia do personagem e a falta de carisma do ator Ryan Reynolds.

Resta aos fãs esperar que o novo filme do Super-Homem , que tem Zack Snyder ( "Sucker Punch - Mundo Surreal" ) na direção e o ator Henry Cavill no papel principal, retome com classe a franquia do Homem de Aço e assegure os planos de adaptação de outros heróis da editora, como Flash.

    Leia tudo sobre: lanterna verdedc comicsmarvel comics

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG