Os ¿10 mais¿ e os "5 menos" do Cine Fest PE

Confira o que foi destaque e o que deixou a desejar no festival de cinema, que aconteceu do dia 26 de abril a 2 de maio

Valmir Moratelli, enviado especial a Olinda (PE) |

Os “10 mais” :

1. As Melhores Coisas do Mundo
Filme de Laís Bodanzky conquistou o público e a crítica. Sai do festival com oito prêmios.
2. Pontualidade das sessões
Com raras exceções, o Festival não apresentou atrasos nas exibições públicas dos filmes
3. Presença do público
Considerado o maior festival de público do Brasil, o evento reuniu neste ano mais de 30 mil pessoas.
4. Paulo José
Protagonista de Quincas Berro D’água , o ator foi uma simpatia. Durante a coletiva de imprensa, chegou a recitar poesia para responder a perguntas dos jornalistas.
5. A força de Léo e Bia
A peça filmada de Oswaldo Montenegro agradou ao público presente, pela leveza ao tratar de assuntos ainda atuais e por ser descompromissada com a linguagem audiovisual.
6. Inéditos
O Bem Amado e Quincas Berro D’água , ainda inéditos, foram exibidos fora da competição. Chegam aos cinemas em breve e são apostas de boa bilheteria para o cinema nacional.
7. Sequestro
Polêmico documentário sobre a atuação da Divisão Anti-Sequestro de São Paulo dividiu opiniões e provocou debates acalorados após sua exibição, durante o Festival.
8. Vida longa aos curtas
Em alguns dias, eles foram mais vistos e procurados do que os longas. Pelo menos no Cine Fest PE, os curtas têm o merecido espaço. Novos talentos ganham espaço para mostrar suas obras.
9. Presença do governador
É comum a presença – rápida e passageira - de autoridades em eventos como este. Mas o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, não só permaneceu do começo ao fim à noite de premiação, como esteve na noite de abertura.
10. Jovens
Não há como negar. O festival agrada em cheio aos jovens. A maior parte dos ingressos foi destinada a eles. Isso ajuda a formar uma nova geração de cinéfilos.

Os “5 menos”:

1. Continuação
Encerrando o Festival, o longa Continuação era para ser uma homenagem a Lenine. Chato e sem cara de documentário, ficou a desejar. Lenine merecia mais.
2. Homenageados
Que Tony Ramos e Julia Lemmertz estão no hall dos excelentes atores do país, isso não se discute. Mas a homenagem, em um festival de cinema, deveria ser voltada a quem tem uma carreira, indiscutivelmente, voltada à sétima arte. E não à televisão.
3.  Não Se Pode Viver Sem Amor
Foi o filme mais combatido do festival. Chato, sem a marca da direção de Durán e com atuações pífias, auxiliadas por um roteiro perdido. Decepção maior da mostra.
4. Dois em um
A noite de quarta-feira (28) apresentou dois longas seguidos e bastante opostos. O polêmico Sequestro e, imediatamente em seguida, Léo e Bia . Destoantes demais para serem encaixados em uma só noite.
5. Ausências sentidas
Cauã Reymond, Paulinho Vilhena, Mariana Ximenez, Vladimir Brichta, Drica Moraes, Marieta Severo, entre outros artistas que integram o elenco de filmes exibidos no Cine Fest PE, não puderam comparecer devido à agenda profissional. Levou o prêmio, coincidência ou não, quem compareceu ao Festival.

* O repórter viajou a convite da organização do Festival.

    Leia tudo sobre: cine fest peolindafestivalcinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG