No centenário do naufrágio, "Titanic" reaparece em 3D

Quinze anos depois, superprodução de James Cameron não perdeu seus encantos

Reuters |

Aproveitando o centenário do naufrágio, ocorrido na madrugada de 15 de abril de 1912, e a recente febre do 3D, relança-se neste formato o drama romântico "Titanic".

O diretor canadense James Cameron atingiu com o filme original a arrecadação mundial de US$ 1,8 bilhão (R$ 3,3 bi), a primeira vez que um filme em toda a história do cinema chegou a essa marca. Doze anos depois, Cameron bateu o próprio recorde com "Avatar", cuja renda internacional chegou a US$ 2,7 bilhões (R$ 4,9 bi).

INFOGRÁFICO: VEJA COMO OCORREU O NAUFRÁGIO DO TITANIC

Divulgação
Leonardo DiCaprio e Kate Winslet em cena famosa de "Titanic"
"Titanic" também ocupa o pódio dos maiores recordistas do Oscar, vencendo 11 estatuetas em 1997 - resultado só alcançado antes por "Ben-Hur" (em 1959) e, depois, por "O Senhor dos Aneis - o Retorno do Rei" (em 2004).

Se houvesse tecnologia confiável 15 anos atrás, certamente Cameron teria filmado "Titanic" em 3D. Como não havia, ele foi obrigado a esperar até "Avatar" (2009), quando, aí sim, deu vazão às suas ambições visuais mais exacerbadas.

Siga o iG Cultura no Twitter

Divulgação
Leonardo DiCaprio e Kate Winslet em "Titanic"
Assim, a experiência de revisitar "Titanic" em 3D não oferece, na verdade, maiores atrativos aos espectadores, embora eles sejam forçados a desembolsar mais pelos ingressos. Algumas sequências, inclusive, aparecem ligeiramente mais escuras do que no original 2D.

Por outro lado, o filme não perdeu seus encantos - nem os defeitos. Tanto plateias que o tenham visto na estreia como aquelas que só o conheceram no DVD poderão revê-lo agora, em perfeitas condições de entender o que mobilizou seu impressionante sucesso.

Leia também: Versão 3D melhora experiência de "Titanic", diz James Cameron

Em primeiro lugar, uma aliança muito eficaz com o realismo documental, com direito a imagens reais do navio afundado e uma fidelidade obsessiva a cenários, figurinos e muitos personagens verídicos, possível pela consulta a fotografias e a parceria estreita com historiadores.

Segundo, o requinte técnico, que levou o orçamento do filme a custar polpudos US$ 200 milhões. Uma cifra que se deveu à construção de um novo estúdio, no México, e de um navio em escala real, além da criação de um tanque com capacidade de 70 milhões de galões de água, sem contar o uso da computação gráfica de última geração.

Não se poupou nada para obter a impressionante reconstituição do naufrágio, que ocupa mais de uma hora do filme e dá a medida da enorme tragédia humana, que custou mais de 1.500 vidas nas águas geladas do Atlântico Norte, nas proximidades da Terra Nova, no Canadá.

Saiba mais: Veja galeria com imagens históricas do Titanic

Divulgação
"Titanic" arrecadou R$ 3,3 bilhões
Nada disso funcionaria, no entanto, sem a envolvente trama romântica, que conduziu Leonardo DiCaprio e Kate Winslet ao estrelato internacional, vivendo o casal Jack Dawson e Rose Dewitt Bukater. Duas pessoas de origem social distinta, vivendo um romance fadado à tragédia, mas cuja história ressuscita no relato da sobrevivente, a velha Rose (Gloria Stewart, na época com 86 anos).

Leia também: Cruzeiro refaz viagem do Titanic com parentes de vítimas do naufrágio

Curiosamente, os protagonistas do romance são alguns dos poucos personagens ficcionais: além de Jack e Rose, também o noivo vilão dela, Caledon Hockley (Billy Zane), e seu malvado guarda-costas, Spicer Lovejoy (David Warner), ambos, aliás, um tanto caricatos em sua maldade.

Em vídeo: James Cameron fala sobre produção de "Titanic"

Muitos outros personagens são verídicos, como a sobrevivente milionária Molly Brown (Kathy Bates), o arquiteto do navio, Thomas Andrews (Victor Garber), que desapareceu com ele, e o covarde proprietário da embarcação, Bruce Ismay (Jonathan Hyde) - que é visto escapando num dos insuficientes botes salva-vidas, onde deveriam ter embarcado apenas mulheres e crianças.

INFOGRÁFICO: VEJA COMO OCORREU O NAUFRÁGIO DO TITANIC

Novas versões sobre o que pode ter contribuído para o desastre, como as marés e até miragens noturnas, não param de surgir. Pelo visto, a mística do Titanic não vai esgotar-se nestes primeiros cem anos.

null

    Leia tudo sobre: TitanicJames Cameroncinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG