Mostra com filmografia completa de Hitchcock chega a São Paulo

Em cartaz no Rio, ciclo com todos os filmes do diretor estreia quarta-feira no CCBB-SP e em julho no Cinesesc

Agência Estado |

Getty Images
Alfred Hitchcock em 1979: filmografia completa com exibições em película
Barriga proeminente, cabeça calva, gestos vagorosos, jeito levemente parvo. Alfred Hitchcock (1899-1980) não apresentava nenhum vestígio aterrorizante, nenhum sinal daquele homem que, no cinema, provocou arrepios na plateia durante meio século. Basta lembrar da cena do chuveiro, em "Psicose"; ou da angustiante espera pelo tocar dos címbalos da orquestra em "O Homem Que Sabia Demais"; ou ainda da aproximação do assassino em "Janela Indiscreta". Ele foi o cineasta que sabia como ninguém envolver o público em uma atmosfera de expectativa e medo.

Se ainda resta alguma dúvida sobre tal capacidade, basta iniciar uma peregrinação diária ao Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo (CCBB) que, a partir de quarta-feira, vai apresentar boa parte da obra de Hitchcock durante seis semanas. Nesse período, serão apresentados 54 longas e 127 episódios de sua série para a televisão, além de três curtas. Melhor: a apresentação será em película de 35mm, ou seja, sem aquele aspecto de imagem de TV se fosse em DVD.

"Considere essa mostra um privilégio e uma bênção, em meio a tanta porcaria exibida nos cinemas hoje em dia", disse o cineasta Peter Bogdanovich, em entrevista por telefone. "Observada a obra em sequência, é possível detectar a incrível organicidade do cinema de Hitchcock." Bogdanovich é autor de filmes respeitáveis, como "A Última Sessão de Cinema", mas sua contribuição à sétima arte é reforçada com entrevistas que fez com célebres cineastas, no momento (anos 1960 e 70) em que os grandes estúdios estavam se desmobilizando – foi assim com John Ford e, claro, Hitchcock.

Hitchcock especializou-se em revelar o segredo das pessoas – cineasta do voyeurismo, do olho e da dúvida, da ambiguidade, ele tornou-se célebre por mostrar o verso e o reverso do mundo. "Ele foi perfeito ao usar todos os recursos do cinema que dispunha para chocar, cativar e até mesmo seduzir o público", observa Adrian Wootton, chefe executivo do Film London e especialista na obra de Hitchcock, em entrevista realizada por e-mail.

Curiosidades:
- "Psicose" mostrou pela primeira vez na história do cinema um vaso sanitário (até então proibido pela censura).
- A partir de "O Pensionista", de 1927, Hitchcock iniciou suas aparições nos filmes, tornando-se uma de suas marcas. "O Homem Errado" é o único longa em que ele fala.
- "Em Um Corpo Que Cai", ele usou a famosa combinação de avançar o zoom e retornar o foco para transmitir a sensação de vertigem para o público.
- "Quando Fala o Coração" foi um dos primeiros filmes americanos a tratar da psicanálise

Serviço - Mostra Hitchcock
De 01 de junho a 24 de julho de 2011, no Rio de Janeiro e São Paulo
Programação completa no site oficial

CCBB do Rio de Janeiro
De 01 de junho a 14 de julho
Rua Primeiro de Março, 1, Centro

Cinesesc - São Paulo
De 08 a 17 de julho
Rua Augusta, 2075, Jardins

CCBB de São Paulo
De 15 de junho a 24 de julho
Rua Álvares Penteado, 112, Centro

    Leia tudo sobre: alfred hitchcockcinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG