"Moscou, Bélgica" faz comédia romântica sem clichês

Diretor acompanha com carinho os altos de baixos de um casal improvável

Reuters |

Divulgação
Matty e Johnny, o casal protagonista da comédia "Moscou, Bélgica", durante a discussão em que se conhecem
"Moscou, Bélgica", que estreia em São Paulo, é uma comédia romântica. Mas uma comédia romântica belga. Por isso, esqueça os clichês hollywoodianos do gênero e pense mais num filme do diretor inglês Mike Leigh, de "Segredos e Mentiras".

O filme não tem tanta angústia social, mas ainda assim é protagonizado por pessoas de classe trabalhadora, que dão duro o dia inteiro e que, quando chega a noite, não tiveram tempo de ir ao cabeleireiro para fazer escova, nem terão um jantarzinho à luz de velas numa doce Nova York coberta de neve.

Matty (Barbara Sarafian) foi abandonada pelo marido, um professor de arte que foi viver com uma menina de 20 e poucos anos, e cuida dos filhos sozinha. Morando num bairro proletário na cidade de Ghent, chamado Moscou, ela trabalha numa agência do correio. Agora, ela está resignada a passar o resto da vida sem um homem para chamar de seu.

A filha mais velha, Vera (Anemone Valcke), está prestes a completar 17 anos e é rebelde. Namora uma garota de sua idade - o que não incomoda em nada Matty. Já a do meio, Fien (Sofia Ferri), lê tarô e a mãe parece dar-lhe mais crédito do que ela e suas cartas merecem. O caçula, Peter (Julian Borsani), diz que será piloto.

A vida de Matty muda apenas quando bate seu carro contra o caminhão de Johnny (Jurgen Delnaet). A batida termina numa série de insultos e muita discussão. Quando, no dia seguinte, ele aparece na casa dela, a vida desses dois personagens sem rumo se transforma. Ela perdeu completamente a fé nos homens, ele foi abandonado pela namorada, que preferiu um sujeito melhor de vida.

Divulgação
Momentos banais da vida de qualquer pessoa ganham novas dimensões no olhar de Christophe Van Rompaey
Johnny vê nela a possibilidade da mudança. Ela pode ser uma mulher melhor do que todas as outras que conheceu. O fato de ser mais velha, mais experiente, pode ser o diferencial no relacionamento. O conto de fadas acaba, no entanto, quando se revelam os problemas do rapaz com o álcool.

O diretor Christophe Van Rompaey acompanha esses personagens, seus altos e baixos, com carinho, buscando o que há de mais humano neles, sem nunca transformá-los em figuras caricatas ou unidimensionais.

Os momentos banais da vida de qualquer pessoa ganham novas dimensões quando filtrados pelo prisma do diretor. As pessoas vêm e vão nas vidas de umas das outras, mas o cotidiano, e as necessidades diárias ficam.

Esteja sozinha ou namorando, com ou sem trabalho, Matty terá de dar um jeito de ter dinheiro para comprar comida. A vida não para.

O desenvolvimento dos personagens, aliado a boas performances, é o que desperta o interesse em "Moscou, Bélgica". Ao final, os personagens são humanos e fazem escolhas. Não há certo ou errado, há escolhas e as consequências de cada uma delas.

    Leia tudo sobre: MoscouBélgica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG