Michelle Williams, a musa independente

Indicada duas vezes ao Oscar, atriz de "Namorados para Sempre" passou de estrela adolescente a projetos sem maior apelo comercial

iG São Paulo |

Divulgação
Michelle Williams em "Dawson's Creek"
De estrela adolescente a uma sisuda indicada ao Oscar, Michelle Williams percorreu um caminho próprio dentro de Hollywood. Se no início ela acompanhava o trabalho na série "Dawson's Creek" com papéis comerciais, não demorou muito para que a atriz se interessasse por projetos independentes ou com pouco apelo para grandes plateias. Sem pressa, foi passando pela batuta de diretores diversos, conquistou o respeito da crítica e atingiu a unanimidade por seu trabalho em "Namorados para Sempre" , que estreia nesta sexta-feira (10) no Brasil.

Emancipada aos 15 anos, Williams se mudou sozinha para Los Angeles atrás da carreira artística. Depois de conseguir entrar em filmes menores, teve a primeira grande chance em 1998, quando foi selecionada para o elenco principal de "Dawson's Creek". Sucesso entre os jovens, o programa foi a grande escola da atriz, que participou das seis temporadas da série. "Algo que sempre agradeço cada vez que piso num set são os seis anos e meio que passei em 'Dawson's Creek' e como essa experiência fez com que me sentisse confortável com as câmeras. As melhores aulas de atuação que já tive", ela declarou recentemente numa entrevista.

Enquanto trabalhava na televisão, Michelle Williams estrelou o terror "Halloween H20 - Vinte Anos Depois" (1998) e a comédia "Todas as Garotas do Presidente" (1999), mas depois parece ter perdido o interesse pela visibilidade. Para desespero, provavelmente, de seu agente, a atriz de 20 anos enveredou pelo mundo do cinema independente e de lá não saiu mais. "Me Without You", "Geração Prozac", "O Agente da Estação", "A Hole in One", "Heróis Imaginários", "The Baxter"... Todos filmes que pouca gente viu ou ouviu falar, quase que restritos ao circuito de festivais e ao mercado doméstico.

Divulgação
Williams com o ex-marido, Heath Ledger, em "O Segredo de Brokeback Mountain"
O que não significa que eles não tenham seu mérito, pelo contrário. De uma adolescente na década de 1970 em "Me Without You" ao interesse amoroso de um anão no cult "O Agente da Estação", Williams não encheu o bolso, mas ganhou prestígio de sobra. Já longe da TV, foi escalada para um dos papéis principais de "Medo e Obsessão" (2004), do alemão Wim Wenders ("Asas do Desejo", "Paris, Texas") e na sequência entrou para o elenco de "O Segredo de Brokeback Mountain", de 2005.

O filme foi um divisor de águas. Primeiro, por lhe dar sua primeira indicação ao Oscar, na categoria de melhor atriz coadjuvante (perdeu para Rachel Weisz em "O Jardineiro Fiel", de Fernando Meirelles), e ser um dos protagonistas da premiação naquele ano. Além disso, ela conheceu no set seu marido, Heath Ledger. O casal teve uma filha antes de se separar pouco tempo depois, embora, no futuro, ela viesse a ser conhecida como a "viúva" do ator, vítima de uma combinação mortal de medicamentos em 2008.

Divulgação
Michelle Williams como Marilyn Monroe em "My Week with Marilyn"
Apesar do glamour, o Oscar não teve muita influência nas decisões de Michelle Williams – a atriz continuou optando por projetos alternativos. A lista inclui, entre outros longas, "Não Estou Lá", biografia pouco convencional de Bob Dylan, o premiado "Wendy and Lucy", o curioso "Sinédoque, Nova York" e uma participação especial no thriller "Ilha do Medo", de Martin Scorsese.

Williams declarou à revista Interview que não vai atrás de opiniões de amigos ou analisa prós e contras na hora de optar por um filme. Segundo ela, até hoje isso só lhe trouxe problemas. "Nem penso nisso como uma carreira. Faço o que me chama atenção no momento, sem pensar muito em como isso vai afetar meu futuro ou de que forma se relaciona com meu passado. Tenho fé no fato de que, à medida que mudo, também mudam as coisas que me interessam."

Por enquanto, tem dado certo. Não é sempre que a atriz é reconhecida, mas "Namorados para Sempre" foi uma unanimidade – os elogios da imprensa foram estendidos ao parceiro de Williams em cena, Ryan Gosling, mas foi ela quem apareceu na maioria absoluta das premiações da temporada.

Atualmente, Michelle Williams pode ser vista em "Meek's Cutoff" , exibido no último Festival de Berlim, e em breve estará em dois projetos que devem catapultar seu nome de volta às manchetes: "Oz: The Great and Powerful", prelúdio do mundo do Mágico de Oz, e "My Week with Marilyn", no qual interpreta ninguém menos do que a diva Marilyn Monroe. No seu jeito e ritmo, Williams está fincando pé na história de Hollywood.

    Leia tudo sobre: michelle williams

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG