Mel Gibson e outros artistas execrados pelo show business

Conheça personalidades que tiveram carreiras prejudicadas por causa de atitudes consideradas reprováveis pelo meio artístico

Guss de Lucca, iG São Paulo |

Getty Images
As trapalhadas de Mel Gibson: carreira do ator foi prejudicada por bebida, antissemitismo e brigas públicas

Se na última década Mel Gibson serviu como exemplo de astro cujo temperamento e atitudes prejudicaram a carreira, muitos antes dele - e até depois - sentiram na pele os estragos que algumas frases ou ações podem causar.

No início dos anos 1950 a atriz sueca Ingrid Bergman engravidou do diretor italiano Roberto Rossellini, com quem havia trabalhado no filme "Stromboli" - período em que ambos eram casados com outros parceiros.

O escândalo foi tanto que Bergman, cuja carreira em Hollywood ia muito bem, teve de voltar para a Europa e acabou passando os seis anos seguintes sem trabalho nos EUA- estrelando apenas filmes dirigidos pelo então amante e futuro marido.

No início da década de 1990, a cantora irlandesa Sinéad O'Connor conseguiu chamar a atenção do público de forma negativa. Durante sua apresentação no programa de TV "Saturday Night Live", ela cantou uma versão de "War", de Bob Marley, trocando a palavra "racismo" por "abuso infantil", num protesto contra a Igreja Católica.

Ao fim, O'Connor rasgou uma foto do Papa João Paulo 2º em frente às câmeras - algo que surpreendeu não apenas a audiência, mas até a produção do programa, que não sabia do plano da cantora.

a atitude foi seguida de protestos. Semanas após o incidente, durante um show em tributo a Bob Dylan no Madison Square Garden, em Nova York, ela foi impedida de cantar pelas ensurdecedoras vaias do público.

Na última década, foi a vez da atriz Lindsay Lohan. Após uma carreira promissora em filmes infanto-juvenis como "Operação Cupido" e "Sexta-Feira Muito Louca", a jovem cresceu e resolveu experimentar um pouco de rebeldia.

Em 2007, então com 21 anos, Lohan foi criticada pelos produtores do filme "Regras para Ser Feliz" por faltar às gravações e ser indisciplinada. "Nós sabemos que a sua alegada 'exaustão' é causada por festas que adentram a madrugada", afirmou o executivo James G. Robinson em carta aberta à imprensa.

A partir daí a vida de Lohan se resumiu a prisões por dirigir alcoolizada , entradas e saídas de clínicas de reabilitação, não comparecimentos a tribunais e, em 2010, 14 dias de prisão - o que resumiu sua promissora carreira a papéis menores em filmes independentes.

Outro encrenqueiro de carteirinha, mas que até então conseguia equilibrar a carreira e os excessos, caiu em desgraça neste ano. Após protagonizar por sete temporadas uma das séries de maior sucesso da atualidade, "Two and a Half Man", Charlie Sheen começou a reclamar de seu salário de US$ 1.8 milhão (R$ 2.9 mi) por episódio - o maior da TV norte-americana naquele momento - e acabou demitido .

AFP
Lars von Trier: elogios a Hitler em coletiva desagradaram a atriz de "Melancolia", Kirsten Dunst
Isso, é claro, não apenas pelas críticas feitas por Sheen aos produtores do programa , em especial Chuck Lorre, chamado pelo ator de "pequeno verme", mas também por seu comportamento errático, que envolveu festas com prostitutas, abuso de drogas e álcool e acusações de violência doméstica - fatos que dificultarão a busca por uma nova posição no mercado.

O último incidente deste tipo ocorreu há poucas semanas, durante a 64ª edição do Festival de Cannes , quando o diretor dinamarquês Lars Von Trier elogiou Hitler durante a coletiva de imprensa do filme "Melancolia".

O que começou em tom de brincadeira terminou com o seu banimento do evento. Von Trier foi declarado persona non grata após, entre outras coisas, dizer que a nação de Israel é "um saco" e que ele era um nazista - numa alusão ao passado de seu pai, um colaborador do regime de Hitler.

    Leia tudo sobre: Mel GibsonCharlie SheenLindsay Lohan

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG