Ator estreia na direção com filme sobre o bicheiro de "Senhora do Destino"

José Wilker como Giovanni Improtta na novela
Divulgação
José Wilker como Giovanni Improtta na novela "Senhora do Destino"
José Wilker achou Giovanni Improtta um personagem tão "felomenal" que bastaram dois dias depois de finda a novela "Senhora do Destino" para ele telefonar para Aguinaldo Silva e pedir: queria comprar do autor o direito de continuar na pele da figura, espécie de bicheiro do bem - agora, no cinema.

Primeira direção da carreira de 50 anos do ator, o filme sai passados seis anos, 12 versões de roteiro e a tradicional aporrinhação em busca de patrocínio. Wilker tinha convidado Cacá Diegues para dirigir. Mas Cacá devolveu o convite: ele produziria e o amigo seria o diretor.

As filmagens, no Rio, começaram na segunda semana de abril. Se na novela o contraventor de gravata-borboleta vivia a mendigar o amor da heroína Maria do Carmo (Susana Vieira), no longa ele contracena com a cúpula do jogo do bicho, à qual quer porque quer pertencer -, a mulher (Andrea Beltrão), a amante (Júlia Gorman), o vereador que apadrinha (Telmo Fernandes).

Na Assembleia Legislativa do Rio foi filmada uma reunião dos chefões do jogo do bicho: Osíris (Milton Gonçalves), Dom (Othon Bastos) e Cantagalo (Hugo Carvana). A sala conhecida como "Furna da Onça", usada para conversas reservadas pelos parlamentares, virou camarim. "Estamos fazendo uma comédia leve, que mostra como é o Brasil", analisou Milton.

Wilker estava animado: "Levei um mês para dizer 'sim' para o Cacá. Eu duvido sempre das coisas. Até que chegou uma hora em que a dúvida se transformou numa grande vontade de encarar o desafio".

Giovanni apareceu pela primeira vez na década de 80, num livro de Aguinaldo Silva. Na TV, às voltas com sua paixão madura e sua "Ninfa Bebê", acabou ofuscado pelas maldades da assustadora vilã Nazaré, de Renata Sorrah, que arrebatou os noveleiros e tirou o sono de muita criancinha. Nos cinemas, no próximo do verão, é Giovanni quem quer nos conquistar, com seus erros toscos de português, certa ingenuidade e o apego à notoriedade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.