iG Recomenda - Crash

Polêmico filme de David Cronenberg ganha primeira edição em DVD no Brasil

Augusto Gomes, iG São Paulo |

Divulgação
James Spader e Holly Hunter em cena de Crash
Sexo, deformação, morte. Na metade dos anos 1990, essas eram as palavras ligadas à obra do diretor canadense David Cronenberg. Também pudera: sua filmografia misturava humanos transformados em insetos ( A Mosca , 1986), ginecologistas pervertidos ( Gêmeos, Mórbida Semelhança , 1988), cérebros explodindo ( Scanners , 1981) e variadas formas de sexualidade doentia (os vírus de Calafrios , de 1975, e o vídeo de Videodrome , de 1982). Era o cineasta perfeito, portanto, para adaptar Crash , do escritor J.G. Ballard, para as telas.

Publicado em 1973, o livro provocou polêmica assim que chegou às lojas. Na trama, Ballard (o personagem principal tem o mesmo nome do autor) desenvolve uma bizarra atração sexual por desastres automobilísticos após sofrer um acidente. O que começa com simples relações dentro de carros evolui para encenações de acidentes famosos, como os que causaram as mortes de James Dean e Jayne Mansfield, e atração por fraturas e cicatrizes causados por acidentes - uma das personagens usa um colete ortopédico, o que deixa Ballard excitado.

Em seu lançamento, em 1996, o filme Crash foi saudado como a mais nova perversão a sair da mente de Cronenberg. Mas a verdade é que ele limitou-se a encenar o que já estava no livro de Ballard, sem acrescentar nada à história. Uma obra extremamente fiel ao livro que a inspirou, mas ao mesmo tempo coerente com os demais trabalhos do cineasta (há diálogos e conceitos inteiros que poderiam estar em Videodrome, por exemplo), o que só comprova a total identificação entre Ballard e Cronenberg.

Divulgação
Capa do DVD de Crash
Na época, as reações ao filme foram as mais variadas. Mesmo tendo recebido críticas muito negativas, conquistou o prêmio do júri no festival de Cannes. Na Austrália e nos Estados Unidos, só foi exibido em versões editadas. Em partes da Inglaterra, ele foi simplesmente proibido.

Crash chegou aos cinemas brasileiros no final de 1996, com o apelativo subtítulo de Estranhos Prazeres e um cartaz que buscava uma aproximação com thrillers eróticos como Instinto Selvagem . No ano seguinte, foi lançado em VHS, mas por algum motivo permaneceu inédito em DVD até esse ano. O problema foi resolvido pela Lume Filmes, selo especialista em colocar no mercado obras-primas esquecidas em edições caprichadas.

É a oportunidade perfeita para reavaliar o mais polêmico trabalho de um dos principais cineastas da atualidade. Até porque, após Crash , Cronenberg ficou mais comportado. Fez alguns grandes filmes ( Marcas da Violência , de 2005, é uma obra-prima), mas nunca mais foi tão ousado.

Crash ( Crash , Canadá, 1996). Direção de David Cronenberg. Com James Spader, Holly Hunter, Elias Koteas, Deborah Kara Unger e Rosana Arquette. Áudio: Inglês. Legendas: Português / Inglês. Duração: 100 min. Preço sugerido: R$ 49,90.

    Leia tudo sobre: CrashDavid CronenbergJG Ballard

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG