Hollywood descobre comédias "sujas" para mulheres

"Missão Madrinha de Casamento" coroa safra de personagens femininas politicamente incorretas

Marco Tomazzoni, iG São Paulo |

Abram alas que elas vêm aí. Depois de anos como território exclusicamente masculino, as comédias politicamente incorretas estão sendo conquistadas pelas mulheres - tanto na preferência do público quanto nas bilheterias.

"Quero Matar Meu Chefe", "Professora Sem Classe" e, o melhor e mais recente deles, "Missão Madrinha de Casamento", se deram bem no mercado norte-americano e mostraram atrizes – pense em Jennifer Aniston e Cameron Diaz – saindo de sua zona de conforto para fazer o que normalmente não poderiam: usar drogas, falar palavrões e dizer a verdade sobre sexo, sem a postura indefesa ou idealizada que se vê por aí. Comparada ao que fazem as personagens desses filmes, a Carrie Broadshaw de "Sex and the City" é uma adolescente bobinha.

Divulgação
Cena de "Missão Madrinha de Casamento"

Tanta liberdade em Hollywood é reflexo do mercado para adultos. "Se Beber, Não Case" (2009) foi o filme com classificação indicativa "R", que nos Estados Unidos só podem ser assistidos por maiores de 18 anos ou menores acompanhados, com maior arrecadação desde "Um Tira da Pesada" (84): US$ 277 milhões só em território norte-americano, superior até à sequência lançada há poucos meses. Os estúdios perceberam que não precisavam mais se preocupar apenas com histórias bobinhas para adolescentes sacanas – havia público suficiente para lotar as salas de um filme com censura alta.

Siga o iG Cultura no Twitter

"A classificação indicativa 'R' te dá uma enorme liberdade para ser tão louco quanto queira sempre que quiser, e nós estávamos com um grupo de pessoas que era totalmente a favor disso", comenta Jake Kasdan, diretor de "Professora Sem Classe", no material de divulgação.

Essa "loucura" era justamente o que fazia falta nas telonas, coisa que séries como "The Office" (pelo qual os diretores dos três filmes passaram), "Family Guy" e o programa "Saturday Night Live" adotavam como regra há anos. O produtor e cineasta Judd Apatow foi um dos primeiros a encabeçar esse espírito, com comédias como "O Virgem de 40 Anos", "Superbad - É Hoje", "Ligeiramente Grávidos" e "Segurando as Pontas".

Mas o público não encontrava mulheres nesses papéis cômicos principais, assim como a própria indústria. "Não nos parecia haver muitos personagens assim para mulheres", conta Lee Eisenberg, um dos roteiristas de "Professora Sem Classe" e da série "The Office". "Víamos tantas mulheres engraçadas em 'Saturday Night Live' e nos talk shows, todas hilárias e encantadoras, mas, no cinema, elas serviam apenas como elemento decorativo ou para fazer com que dois homens se tornassem amigos ou algo assim."

A prova do sucesso foi a recepção calorosa das plateias: com orçamentos modestos para o padrão hollywoodiano, "Missão Madrinha", "Professora" e "Quero Matar Meu Chefe" ultrapassaram a barreira dos US$ 100 milhões nos EUA e viram seus dividendos crescerem ainda mais no mercado internacional, sempre auxiliados pelo público na casa dos 30 anos.

"Missão Madrinha de Casamento" é o exemplo cabal. Não só tem atrizes de "SNL" na linha frente – Kristen Wiig e Maya Rudolph –, como foi escrito por mulheres, justamente Wiig e Annie Mumolo, que se conheceram num clube de stand-up em Los Angeles, e produzido por Apatow. Isso possibilitou que a história não só forçasse a barra do politicamente correto, mas fizesse isso por um viés feminino. Os dois mundos, finalmente unidos.

Divulgação
Jennifer Aniston em "Quero Matar Meu Chefe"
"Eu tinha uma história sobre como havia sido madrinha algumas vezes, e de como estava cansada disso", afirma Mumolo. “Queríamos contar a história de como foram as nossas experiências – a versão nua e crua das madrinhas, em que nem todos os penteados são perfeitos e nem todas elas são lindas e têm histórias bonitinhas.”

"É empolgante levar o estilo de humor de Judd [Apatow] a um filme sobre mulheres e ainda mantê-lo honesto e real", continua Paul Feig, o diretor do filme. "Exploramos temas com que elas podem se identificar ao mesmo tempo em que os homens também acharão hilários. O que queríamos captar eram mulheres conversando como se estivessem nos bastidores, quando os caras não estão por perto."

Tirando um exagero ou outro inerente ao estilo, é justamente isso que os filmes dessa temporada oferecem, o mergulho num mundo cor de rosa com tonalidades que nem todo mundo conhece, tirando muita graça disso. Hollywood e o público estão cientes de que isso dá certo. Que venahm os próximos.

    Leia tudo sobre: cinema

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG