Grace Kelly é páreo duro para as princesas modernas

Atriz encarnou as qualidades que o senso comum deseja: beleza clássica e virginal, elegância, sofisticação e austeridade

Ricardo Calil, colunista do iG |

Pobre Diana Spencer. Pobre Kate Middleton. A vida da mulher de príncipe ficou difícil depois que Grace Kelly se casou com Rainier 3º de Mônaco, em 1956. Grace tinha tudo o que suas sucessoras tiveram e terão – e muito mais.

Um passado interessante? Bom, a atriz americana já era um mito de Hollywood, a musa de Hitchcock, quando chegou ao altar. Beleza e porte de princesa? Difícil batê-la nesse quesito. Rumores sobre traições ao príncipe? Confere. Uma morte trágica por causa de um polêmico acidente de carro? Sim, 15 anos antes de Diana. É até covardia.

Como a exposição “Os Anos Grace Kelly, Princesa de Mônaco” na Faap irá comprovar fartamente, Grace Kelly parecia destinada a virar princesa. Nos Estados Unidos, existe a tradição de se perguntar na época de formatura do colegial qual dos alunos terá mais chances de se tornar bem-sucedido no futuro. Se fosse feita uma enquete nos anos 1950 questionando qual atriz teria mais chances de se tornar princesa algum dia, a resposta provavelmente seria Grace Kelly (com Audrey Hepburn ou Romy Schneider correndo por fora).

Porque Grace encarnou nas telas as qualidades que o senso comum parece desejar numa princesa (como foi reforçado mais uma vez no casamento de Kate Middleton): beleza clássica e virginal, elegância, sofisticação, fleuma, austeridade, maneiras aristocráticas etc etc. Em meio a “bombas sexuais” como Marilyn Monroe e Elizabeth Taylor, Grace – uma católica devotada, descendente de irlandeses – chamava atenção por sua sensualidade recatada. Se as concorrentes se vendiam como vulcões jorrando lava, Grace estava mais para um vulcão adormecido em uma geleira – mas com a promessa de entrar em erupção a qualquer momento.

Quem entendeu melhor o poder sensual por trás dessa aparente frieza foi Alfred Hitchcock, que a chamou para estrelar “Disque M para Matar” (1954), “Janela Indiscreta” (1954) e “Ladrão de Casaca” (1955). Nos três, Grace interpreta versões plebeias da princesa que ela se tornaria pouco tempo depois: mulheres ricas, inteligentes e sofisticadas. Hitchocock parecia ter encontrada sua obsessão: a loira perfeita. O cineasta teria se apaixonado platonicamente por Grace – ou pela imagem que criou para ela. Mas o cineasta acabaria, sem querer, determinando a aposentadoria precoce da atriz.

Durante a promoção de “Ladrão de Casaca”, filmado em Mônaco, Grace conheceu Rainier em uma sessão de fotos para a revista “Paris Match”. Em pouco tempo, a atriz e o príncipe protagonizariam o casamento do século. Alfred tentaria trabalhar de novo com ela em “Marnie”, mas Rainier e os súditos de Mônaco não gostaram da ideia de vê-la nas telas como uma cleptomaníaca – e ela teve de recusar o convite. Grace trocou milhões de espectadores por um único príncipe.

Sua carreira de atriz de cinema durou apenas cinco anos. Além das parcerias com Hitchcock, ela tem poucos filmes de destaque, entre eles “Matar ou Morrer”, “Alta Sociedade” e “Mogambo” (durante as filmagens, ela teve um pequeno affair com Clark Gable, seu colega de elenco). E sua vida também foi interrompida cedo demais, por conta dos ferimentos de um acidente de carro em 1982, envolto na suspeita de que sua filha Stéphanie, menor de idade, estivesse dirigindo.

No cinema, ela foi eternizada apenas e tão somente no auge de sua beleza (ela não teve de lidar com o envelhecimento nas telas, como aconteceu, por exemplo, com Liz Taylor). Na vida, ela seguia belíssima aos 52 anos, a idade em que morreu. De certa forma, a aposentadoria e a morte precoces ajudaram a alimentar seu mito – como se já não bastasse o conto de fadas da atriz que se casa com um príncipe. Realmente um páreo duro para as princesas modernas.

Os Anos Grace Kelly, Princesa de Mônaco
Museu de Arte Brasileira da FAAP (r. Alagoas, 903, Higienópolis, São Paulo)
De 5 de maio a 10 de julho de 2011
De terça a sexta, das 10h às 20h; sábados, domingos e feriados, das 13h às 17h (fechado às segundas-feiras, inclusive quando feriado)
Entrada franca

    Leia tudo sobre: Grace Kelly

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG