Filme Estômago abre evento em Milão

Longa-metragem inaugura a 5ª edição do Festival de Cinema Brasileiro na Itália

iG São Paulo |

Divulgação
O ator João Miguel como o personagem Raimundo Nonato no longa-metragem Estômago
O Instituto Brasil Itália (IBRIT) promove entre 19 e 23 de maio, em Milão, a quinta edição do Festival de Cinema Brasileiro na Itália, com 12 filmes e documentários. A mostra abre com Estômago , do curitibano Marcos Jorge, premiada produção ítalo-brasileira que narra a relação entre o poder e a comida em dois momentos de ascensão e queda do imigrante nordestino e presidiário Raimundo Nonato/Alecrim.

"Queremos mostrar que o Brasil está fazendo cinema de qualidade", diz Regina Nadaes Marques, organizadora dos eventos do instituto. "O IBRIT tem como missão divulgar a cultura brasileira e a língua portuguesa na Itália. Buscamos trazer aos italianos a imagem do Brasil moderno, que conte sobre nós mais que os estereótipos mais difundidos por aqui, mesmo sem negá-los - tanto é que temos dois filmes sobre futebol". Trata-se de Loucos de Futebol , coletânea de histórias de Halder Gomes sobre o universo do torcedor, e "Nada vai nos separar", de Saturnino Rocha, sobre o Internacional. "Em Milão há uma enorme torcida da Internacional de Porto Alegre que já está se mobilizando para ver o filme e conversar com o cineasta", diz Regina.

Entre filmes de autor ( Cheiro do Ralo , de Heitor Dhalia, e Olho de Boi , de Hermano Penna), comédia ( Divã , de José Alvarenga Jr) e documentários ( Mestre Leopoldina , de Rose La Creta, e O Homem que Engarrafava Nuvens , de Lírio Ferreira), a edição deste ano também homenageia os 50 anos de Brasília, com A Invenção de Brasília , de Renato Barbieri e narrado por Fernanda Montenegro, e Oscar Niemeyer, a Vida é um Sopro , de Fabiano Maciel.

O Festival de Cinema Brasileiro na Itália foi criado em 2004, quando a Prefeitura de Milão pediu ao IBRIT para organizar uma série de eventos comemorativos aos 450 anos de São Paulo - na ocasião, a mostra cinematográfica exibiu produções paulistas. Segundo Regina, o público é formado em sua maior parte por italianos interessados no País e em cinema, especialmente os que não chegam ao circuito comercial.

"Infelizmente apenas um filme brasileiro, em média, é distribuído na Itália por ano, ficando em cartaz em apenas uma ou duas cidades, por poucos dias.", diz a organizadora. A questão da distribuição de filmes será um dos temas abordados numa mesa redonda organizada na Universidade Cattolica de Milão, com a presença dos produtores italianos de Estômago .

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG